Artigos

18.4: Divisão Justa - Matemática


1. O acaso avalia a metade vegetariana em $ 7,50 e a metade pepperoni em $ 2,50.

Uma fatia de pepperoni inteira é ( frac {1} {4} ) da metade de pepperoni. Valor ( $ 2,50 / 4 = $ 0,625 )

Uma fatia vegetariana inteira é ( frac {1} {4} ) da metade vegetariana. Valor ( $ 7,50 / 4 = $ 1,875 )

Uma fatia de ½ calabresa ( frac {1} {2} ) vegetariana tem valor ( $ 0,3125 + $ 0,9375 = $ 1,25 )

3. Erin: Bowl 1, Catherine: Bowl 2, Shannon: Bowl 3

5. a. 25 Snickers @ $ 0,01 cada, 20 Milky Ways @ $ 0,05 cada, 60 Reese’s @ $ 0,02 cada

Valor: ( $ 0,25 + $ 1,00 + $ 1,20 = $ 2,45 )

b. Não. Dustin avalia a bolsa inteira em $ 8, então uma parte justa seria $ 4.

c. Muitas possibilidades. Aqui estão algumas:

80 Milky Ways, 0 Snickers, 0 Reese’s

50 Snickers, 50 Milky Ways, 50 Reese’s

7. Zoe

b. Maggie: s2, s3. Meredith: s1, s2. Holly: s3

c. Maggie: s2, Meredith: s1, Holly: s3, Zoe: s4

9. P5

b. $ 6,50 (não precisa cortar muito desde que são os últimos)

c. P4 iria recebê-lo, com valor $ 6,00 (já que P4 iria apará-lo)

11. ((320+220) / 4=$ 135)

b. Tanto a escrivaninha quanto a vaidade vão para A. A paga ( $ 320 + $ 220 - $ 135 = $ 405 ) para a propriedade

B ganha $ 95, C ganha $ 125, D ganha $ 110.

c. O excedente de ( $ 405 - $ 95 - $ 125 - $ 110 = $ 75 ) é dividido, $ 18,75 cada.

A recebe escrivaninha e vaidade, paga $ 386,25 para a propriedade

B obtém $ 113,75, C obtém $ 143,75, D obtém $ 128,75

13. Ações justas: Abby: 10.333, Ben: 9, Carla: 7.667

Motocicleta para Abby, Carro para Ben, Trator para Abby, Barco para Abby

Inicial: Abby paga $ 10,667, Ben paga $ 2, Carla recebe $ 7,667

Excedente: $ 5; $ 1.667 cada

Final: Abby ganha motocicleta, trator e barco, paga $ 9

Ben pega o carro e paga $ 0,333

Carla ganha $ 9,334

15. Ações justas: Sasha: $ 135, Megan: $ 140

Sasha consegue: Sofá, limpeza de detalhes. Valor $ 80

Megan obtém: TV, estéreo, tapetes. Valor: $ 260

Inicial: Sasha ganha $ 55, Megan paga $ 120.

Excedente: $ 65; $ 32,50 cada

Final: Sasha pega Couch e faz limpeza de detalhes, ganha $ 87,50

Megan consegue TV e aparelho de som, limpa tapetes e paga $ 87,50

17. s3, vale $ 270

b. s1 e s4 combinaram o valor de $ 440 para Greedy, então a peça valeria $ 220


Respostas do grau 5 do Go Math, capítulo 8 Divida as frações

Os alunos podem obter o conhecimento completo sobre Divide Fractions on Go Math Grade 5 Answer Key Capítulo 8. Este artigo consiste em soluções para problemas práticos, no meio do capítulo e testes de revisão, juntamente com respostas e explicações para os alunos terem mais prática. Assim, os alunos que estão em busca da chave de respostas do Go Math Grade 5 podem fazer o download do pdf aqui.

É difícil para os pais lidar com os alunos e dar explicações para suas dúvidas. Portanto, sugerimos que os pais façam nosso Go Math Respostas para o Capítulo 8, Divide Frações, para ensinar seus filhos.


Ações justas

Esta é uma atividade numérica de nível 4 da série Figure It Out. Relaciona-se ao Estágio 7 da Estrutura Numérica.
Um PDF da atividade do aluno está incluído.

Clique na imagem para ampliá-la. Clique novamente para fechar. Baixar PDF (1237 KB)

resolver problemas de divisão usando ajuste proporcional

Links da estrutura de números
Esta atividade pode ser usada para encorajar os alunos no estágio 7 a estender sua gama de estratégias para incluir a simplificação por ajustes proporcionais.

FIO, níveis 3-4, pensamento multiplicativo, ações justas, páginas 6-7

Esta atividade trata da divisão partitiva, ou seja, divisão onde o número de peças é conhecido, mas a quantidade de cada ação não. Os alunos aprendem que podem transformar um problema de divisão complexo em um mais simples simplificando tanto o dividendo (o número inicial) quanto o divisor (o número que divide), usando um fator comum.
Você poderia introduzir a matemática da questão 1 com um exemplo simples como o mostrado abaixo para ilustrar as propriedades dos números. Ao fazer isso, você move o foco da resposta, que os alunos já conhecem ou podem resolver facilmente, para as propriedades de número envolvidas. Ao manter os números gerenciáveis, você pode usar materiais para demonstrar as transformações nas quantidades envolvidas.
Suponha que haja 32 biscoitos para serem compartilhados entre 8 pessoas. Como os números no problema podem ser alterados sem afetar o tamanho do compartilhamento?

Reduzir pela metade o número de biscoitos e o número de pessoas que os compartilham mantém o tamanho das partes o mesmo: 32 ÷ 8 = 4, 16 ÷ 4 = 4 e 8 ÷ 2 = 4. O mesmo é verdadeiro, não importa o número o número de biscoitos e pessoas é dividido por. O tamanho das ações também não é afetado se o número de biscoitos e pessoas for dobrado, triplicado ou multiplicado por qualquer número, embora essa operação raramente torne um problema de divisão mais fácil. Algebricamente, o princípio pode ser expresso desta forma: se a ÷ b = c, então a / n ÷ b / n = c onde n é qualquer número exceto zero.
Os alunos serão capazes de usar este método desde que consigam identificar um valor para n que funcione, ou seja, um valor que é um fator comum a ambos os números. Por exemplo, em 198 ÷ 6 =, os alunos não serão capazes de reduzir o problema para 99 ÷ 3 = a menos que percebam que 198 e 6 são números pares e, portanto, têm um fator comum de 2.
Às vezes, vai dar muito trabalho simplificar um problema de divisão usando esse método e outra estratégia é mais adequada. Os alunos precisam reconhecer quando reduzir pela metade, dividir em terceiro e assim por diante os dois números é uma estratégia eficaz e quando não é. A eficácia depende de quão fácil é encontrar um fator comum e quão fácil é dividir por esse fator comum. Tome, por exemplo, 657 ÷ 9 =. Ambos 657 e 9 são divisíveis por 3, mas a dificuldade de dividir 657 por 3 significa que, para muitos alunos, os métodos de valor nominal padrão são provavelmente uma escolha melhor. Por exemplo: 630 ÷ 9 = 70 27 ÷ 9 = 3 70 + 3 = 73.
Na questão 1, a incógnita é o número total de biscoitos da mesa da questão 2, é o tamanho de cada ação. É importante que os alunos enfrentem os problemas de divisão apresentados de maneiras diferentes como essa, para que eles entendam o princípio da inversão ou reversibilidade.
Os alunos precisam ser capazes de processar a questão 3 sem primeiro resolver o problema proposto no início: 168 ÷ 24 =. Ou seja, eles precisam trabalhar de trás para frente por meio de uma série de declarações equivalentes:

Dessa forma, operam com base em afirmações de igualdade, ao mesmo tempo que aceitam a falta de fechamento que advém de não saber o quociente (resposta). Eles sabem que deve ser metade de 168 porque 12 é metade de 24 e assim por diante. Este é o mesmo tipo de pensamento que sustenta as frações equivalentes, por exemplo,
Os problemas da questão 4 podem ser resolvidos de maneiras semelhantes, mas como os números são deliberadamente maiores, os alunos terão que encontrar os fatores dos divisores (36, 28 e 27) antes de poderem trabalhar para trás.
Para a pergunta 5, os alunos devem ter certeza de que suas equações podem ser resolvidas de maneira sensata por estratégias como reduzir pela metade e dobrar, colocar o valor ou trabalhar de trás para frente, antes de experimentá-las em um colega de classe.

Respostas à atividade

1. As equações concluídas são:
20 ÷ 4 = 5,
então 40 ÷ 8 = 5,
então 60 ÷ 12 = 5,
então 30 ÷ 6 = 5,
então 15 ÷ 3 = 5.
O padrão nessas equações de divisão é que dobrar ou dividir os dois números produz a mesma resposta. (60 ÷ 12 = 5, de 20 ÷ 4 = 5, é triplicar.)
2. a. Grace usou a divisão pela metade de ambos os números para ir diretamente de 72 ÷ 18 = 4 para 36 ÷ 9 = 4. Algumas outras divisões usando padrões de duplicação e triplo e multiplicação básica
os fatos são: 12 ÷ 3 = 4, 24 ÷ 6 = 4, 48 ÷ 12 = 4 e 144 ÷ 36 = 4.
b. Todos eles terão a mesma resposta porque ambos os números em cada declaração de divisão são duplas ou metades de outras declarações de divisão que têm uma resposta de 4. Compartilhar a metade dos biscoitos entre a metade do número de pessoas dá a mesma parte.
3. 168 ÷ 24 = 84 ÷ 12 = 42 ÷ 6 = 7 biscoitos por pessoa
então 12 x 7 = 84 (na mesa de 12 lugares)
e 6 x 7 = 42 (na mesa de 6 lugares)
4 x 7 = 28 (na mesa de 4 lugares),
e 3 x 7 = 21 (na mesa de 3 lugares) ou 42 ÷ 6 = 7, então 84 ÷ 12 = 7, 21 ÷ 3 = 7,
e 28 ÷ 4 = 7.
4. a. 11 biscoitos. (396 ÷ 36 = 132 ÷ 12 = 66 ÷ 6 = 11)
b. 8 biscoitos. (224 ÷ 28 = 112 ÷ 14 = 56 ÷ 7 = 8)
c. 9 biscoitos. (243 ÷ 27 = 81 ÷ 9 = 9)
5. Os problemas variam

Projeto de Numeracia materiais (consulte a página Numeracy Books)
• Livro 6: Ensino de multiplicação e divisão
Aula de culinária real

Entender
• Senso numérico e pensamento algébrico: Livro Dois, Nível 3
Horsing Around, página 11


Conteúdo

Qualificações anteriores Editar

Antes da introdução do GCSEs, os alunos fizeram os exames CSE (Certificado de Educação Secundária) ou o mais desafiador academicamente O-Level (Certificado Geral de Educação (GCE) Nível Ordinário), ou uma combinação dos dois, em várias disciplinas. O CSE abrangia amplamente os graus C-G ou 4–1 do GCSE, e o Nível O cobria os graus A * -C ou 9–4, mas os dois eram qualificações independentes, com sistemas de classificação diferentes. As qualificações separadas foram criticadas por colocar em desvantagem os 42% mais pobres dos participantes do Nível O que não conseguiram receber uma qualificação, e os participantes do CSE com melhor desempenho que não tiveram oportunidade de demonstrar habilidade superior. [ citação necessária ]

Em seus últimos anos, os O-Levels foram avaliados em uma escala de A a E, com uma nota U (sem nota) abaixo disso. Antes de 1975, o esquema de notas variava entre as bancas examinadoras, mas normalmente havia notas de "aprovação" de 1 a 6 e notas de "reprovação" de 7 a 9. No entanto, as notas não eram exibidas nos certificados. [ citação necessária ]

O CSE foi classificado em uma escala numérica de 1 a 5, sendo 1 a mais alta e 5 a mais baixa nota para aprovação. Abaixo de 5 havia um grau U (sem nota). A nota mais alta, 1, foi considerada equivalente a uma nota O-Level C ou superior, e o aproveitamento dessa nota frequentemente indicava que o aluno poderia ter feito um curso O-Level no assunto para obter uma qualificação mais alta. Como os dois eram qualificações independentes com programas separados, um curso separado de estudo teria que ser feito para "converter" um CSE em um Nível O a fim de progredir para o Nível A. [ citação necessária ]

Houve uma tentativa anterior de unir essas duas qualificações díspares na década de 1980, com um exame experimental "16+" em algumas disciplinas, concedendo um certificado CSE e um O-Level, antes do GCSE ser introduzido. Os exames finais de nível O / CSE foram realizados em 1987. [ citação necessária ]

Introdução da Edição GCSE

Os GCSEs foram introduzidos em 1988 [2] para estabelecer uma qualificação nacional para aqueles que decidiram deixar a escola aos 16 anos, sem prosseguir estudos acadêmicos para obter qualificações como A-Levels ou diplomas universitários. Eles substituíram as antigas qualificações CSE e O-Level, unindo as duas qualificações para permitir o acesso a uma gama completa de notas para mais alunos. No entanto, os exames às vezes tinham uma escolha de questões destinadas aos candidatos mais e menos capazes.

Após a introdução, os GCSEs foram classificados em uma escala de letras, de A a G, com um C sendo definido como aproximadamente equivalente a um O-Level Grade C, ou um CSE Grade 1, e, portanto, alcançável por aproximadamente os 25% melhores de cada coorte.

Mudanças desde a introdução inicial Editar

Com o tempo, a gama de disciplinas oferecidas, o formato dos exames, os regulamentos, o conteúdo e a classificação dos exames do GCSE mudaram consideravelmente. Numerosas disciplinas foram adicionadas e alteradas, e várias novas disciplinas são oferecidas em línguas modernas, línguas antigas, campos vocacionais e artes expressivas, bem como cursos de Cidadania. [3]

Introdução da edição A * grade

Em 1994, o grau A * foi adicionado acima do grau A, para diferenciar ainda mais o aproveitamento na extremidade mais alta da qualificação. Esta permaneceu a maior nota disponível até 2017. O aluno mais jovem a obter uma nota A * foi Thomas Barnes, que obteve uma nota A * em Matemática GCSE aos 7 anos de idade. [4]

Reformas dos anos 2000 Editar

Entre 2005 e 2010, uma variedade de reformas foram feitas para as qualificações do GCSE, incluindo o aumento da modularidade e uma mudança na administração da avaliação sem exame.

Desde a primeira série de avaliações em 2010, a avaliação controlada substituiu o curso em várias disciplinas, exigindo condições mais rigorosas de exame para grande parte do trabalho avaliado sem exame e reduzindo a oportunidade de ajuda externa no curso.

Reformas da década de 2010 Editar

Sob o governo conservador de David Cameron e o secretário de Educação Michael Gove, várias mudanças foram feitas nas qualificações do GCSE obtidas na Inglaterra. Antes de uma ampla gama de reformas, mudanças provisórias foram feitas nas qualificações existentes, removendo a série de exames de janeiro como uma opção na maioria das disciplinas e exigindo que 100% da avaliação nas disciplinas da série de exames de 2014 seja feita no final do curso. Estes foram os precursores das reformas posteriores. [5]

A partir de 2015, um programa de reforma em grande escala começou na Inglaterra, mudando os critérios de avaliação e programas para a maioria das disciplinas, bem como o formato das qualificações e o sistema de notas. [6] [7]

Sob o novo esquema, todas as disciplinas do GCSE foram revisadas entre 2015 e 2018, e todos os novos prêmios estarão no novo esquema no verão de 2020. As novas qualificações são projetadas de forma que a maioria dos exames seja feita no final de um período completo de 2 anos curso, sem avaliação modular provisória, curso ou avaliação controlada, exceto quando necessário (como nas artes). Algumas disciplinas reterão o curso em uma base não avaliada, com a conclusão de certos experimentos em disciplinas de ciências sendo assumidos em exames, e relato do professor sobre a participação da língua falada para os GCSEs em inglês como um relatório separado.

Outras mudanças incluem a mudança para um sistema de classificação numérica, para diferenciar as novas qualificações dos GCSEs com notas de cartas de estilo antigo, publicação de requisitos de conteúdo principal para todas as disciplinas e um aumento em questões mais longas, tipo dissertação, para desafiar mais os alunos. Paralelamente, uma variedade de qualificações de baixa aceitação e qualificações com sobreposição significativa cessarão, com seu conteúdo sendo removido das opções do GCSE ou incorporado em qualificações semelhantes. Uma série de novos assuntos do GCSE também foram introduzidos para os alunos estudarem a partir de 2017, 2018. 2019 e 2020. [8]

Os exames do GCSE em inglês e matemática foram reformados com as publicações do currículo de 2015, com esses primeiros exames ocorrendo em 2017. O restante foi reformado com as publicações do currículo de 2016 e 2017, levando aos primeiros prêmios em 2018 e 2019, respectivamente.

Para GCSE Science, as antigas opções de prêmio único "ciência" e "ciência adicional" não estão mais disponíveis, sendo substituídas por uma opção de prêmio duplo "ciência combinada" (graduada na escala de 9–9 a 1–1 e equivalente a 2 GCSEs). Alternativamente, os alunos podem obter qualificações separadas em química, biologia e física. Outras qualificações removidas incluem uma variedade de assuntos de tecnologia de design, que são reformados em um único assunto de "design e tecnologia" com várias opções, e várias qualificações de alimentação e nutrição, que são dobradas em "tecnologia de alimentos". Finalmente, vários GCSEs "guarda-chuva", como "humanidades", "artes cênicas" e "artes expressivas", são dissolvidos, e aqueles que desejam estudar essas disciplinas precisam ter qualificações separadas nas disciplinas incorporadas. [9]

Implicações para o País de Gales e a Irlanda do Norte Editar

Essas reformas não se aplicam diretamente no País de Gales e na Irlanda do Norte, onde os GCSEs continuarão disponíveis no sistema de classificação A * -G. No entanto, devido aos requisitos legislativos para comparabilidade entre GCSEs nos três países, e subsídios para certas disciplinas e qualificações disponíveis no País de Gales e na Irlanda do Norte, algumas qualificações 9-1 estarão disponíveis, e as outras alterações são adotadas principalmente nesses países também. [10]

Na Irlanda do Norte, o Ministro da Educação, Peter Wier (DUP), decidiu em 2016 [11] alinhar o grau A * com o grau 9 das qualificações inglesas reformadas. O primeiro prêmio do novo grau A * foi em 2019. O grau AC * também foi introduzido na Irlanda do Norte para se alinhar ao 5 Grau na Inglaterra, novamente com a primeira premiação em 2019. Os GCSEs na Irlanda do Norte permanecem modulares e as práticas científicas podem contar para o resultado geral da nota. Falar e ouvir também continua sendo um componente da especificação do idioma inglês do GCSE.

Historicamente, havia uma variedade de bancas examinadoras regionais, ou organizações concedentes (AOs), que definiam os exames em sua área. Com o tempo, como a desregulamentação permitiu que as escolas escolhessem quais placas usar, fusões e fechamentos levaram a apenas 5 juntas examinadoras restantes hoje:

    (AQA), que absorveu as seguintes placas: AEB, JMB, NEAB e SEG. (OCR), que absorveu a Oxford Delegacy of Local Examinations, Cambridge Local Examinations, Oxford & amp Cambridge Examinations Board, MEG e bancas de exame RSA. , que absorveu as placas LREB, BTEC e ULEAC. (WJEC ou CBAC), a principal banca examinadora no País de Gales. (CCEA), a comissão examinadora e reguladora da Irlanda do Norte.

As bancas examinadoras operam sob a supervisão do Ofqual (Regulamento do Escritório de Qualificações e Exames) na Inglaterra, do Qualifications Wales no País de Gales e do CCEA na Irlanda do Norte.

Na Inglaterra, AQA, OCR e Pearson operam com suas respectivas marcas. Além disso, a WJEC opera a marca Eduqas, que desenvolve qualificações na Inglaterra. As qualificações CCEA não estão disponíveis na Inglaterra.

No País de Gales, o WJEC é o único órgão de concessão credenciado para GCSEs no setor público e, portanto, nenhum outro conselho opera formalmente no País de Gales. No entanto, algumas qualificações dos conselhos ingleses estão disponíveis como qualificações designadas em algumas circunstâncias, devido ao fato de não estarem disponíveis no WJEC.

Na Irlanda do Norte, a CCEA atua como conselho e regulador. A maioria das qualificações dos conselhos de inglês também estão disponíveis, com exceção da língua inglesa e das ciências, devido aos requisitos de conversação e avaliação prática, respectivamente. [12]

Os alunos geralmente fazem pelo menos 5 GCSEs no Key Stage 4, a fim de satisfazer a longa medida manchete de alcançar 5 notas A * -C, incluindo Inglês, Matemática e Ciências. As qualificações exatas obtidas pelos alunos variam de escola para escola e de aluno para aluno, mas as escolas são incentivadas a oferecer pelo menos um caminho que leva à qualificação para o Bacharelado em Inglês, exigindo GCSEs em língua inglesa, literatura inglesa, matemática, 2 GCSEs de ciências, uma linguagem moderna ou antiga, e história ou geografia. [ citação necessária ]

Edição de Assuntos

A lista de disciplinas do GCSE atualmente disponíveis é muito mais curta do que antes das reformas, já que as novas qualificações na Inglaterra têm requisitos básicos definidos pelo regulador, Ofqual, para cada disciplina. Além disso, existem várias disciplinas nas quais apenas um conselho oferece qualificações, incluindo algumas que estão disponíveis apenas em um país do Reino Unido por esse motivo. As listas a seguir são obtidas nos sites da banca examinadora. [13] [14] [15] [16] [17] [18] [19] [20]

Assuntos centrais Editar

Estes são os requisitos para alcançar a medida de manchete do Bacharelado em Inglês nas tabelas de classificação, a partir de 2017. [21] O Bacharelado em si não garante um certificado para os alunos. Outras disciplinas, especialmente estudos religiosos, estudos de cidadania, ciência da computação ou educação física são obrigatórias em algumas escolas, pois essas disciplinas fazem parte do Currículo Nacional no Estágio Principal 4.

  • inglês: Língua Inglesa e Literatura Inglesa
  • Matemática
  • Ciência: Veja GCSE Science. Biologia, Química e Física ou Ciências Combinadas. A Ciência da Computação também é considerada uma ciência para o Bacharelado em Inglês
  • línguas: um GCSE em uma linguagem moderna ou antiga
    • Linguagens modernas: Árabe, bengali, chinês (cantonês), chinês (mandarim), francês, alemão, grego moderno, gujarati, hebraico moderno, italiano, japonês, panjabi, persa, polonês, português, russo, espanhol, turco, urdu
    • Línguas antigas: Grego clássico, hebraico bíblico, latim

    Outros assuntos Editar

    • Ciências e Matemática:
      • Astronomia
      • Geologia
      • Psicologia
      • Estatisticas
      • Sociologia
      • História antiga
      • Estudos de Cidadania
      • Civilização Clássica
      • Estudos religiosos
      • Estudos de Negócios
      • Economia
      • Design e tecnologia
      • Eletrônicos
      • Engenharia
      • Preparação de alimentos e nutrição
      • Arte e Design
      • Dança
      • Drama
      • Estudos de Cinema
      • Estudos de Mídia
      • Música
      • Fotografia
      • Gráficos
      • Educação Física
      • Agricultura e Uso do Solo
      • Sistemas de comunicação e negócios
      • Desenvolvimento infantil
      • Construção e ambiente construído
      • Artesanato Contemporâneo
      • Tecnologia digital
      • Matemática Adicional
      • Governo e política
      • Saúde e Assistência Social
      • Economia doméstica
      • Hospitalidade
      • irlandês
        • irlandês
        • Gaeilge
        • Tecnologia da informação e Comunicação
        • Galês (obrigatório nas escolas galesas):
          • Idioma galês (primeiro idioma)
          • Literatura Galesa (primeira língua)
          • Galês segundo idioma

          Edição de notas e níveis

          Os GCSEs são concedidos em uma escala graduada e cruzam dois níveis do Regulated Qualifications Framework (RQF): Nível 1 e Nível 2. Esses dois níveis correspondem aproximadamente, respectivamente, à fundação e ao nível superior em qualificações GCSE escalonadas. As qualificações de nível 1 constituem GCSEs nos graus G, F, E e D ou 1, 2 e 3. As qualificações de nível 2 são aquelas nos graus C, B, A e A * ou 4, 5, 6, 7, 8, e 9.

          O escalonamento de qualificações permite que um subconjunto de notas seja alcançado em um artigo de um escalão específico. Anteriormente, muitos assuntos eram escalonados, mas com a reforma de meados da década de 2010, o número de assuntos escalonados reduziu drasticamente, incluindo a remoção dos escalonamentos das especificações em inglês do GCSE. Papéis não hierárquicos permitem que qualquer grau seja alcançado. Os trabalhos de curso e as tarefas de avaliação controlada estão sempre sem níveis.

          No passado, as qualificações em matemática ofereciam um conjunto diferente de níveis, com três. Estes eram os níveis de base nas classes G, F, E e D, os níveis intermediários nos níveis E, D, C e B e os níveis superiores nos níveis C, B, A e A *. Isso acabou mudando para corresponder às camadas em todas as outras qualificações do GCSE.

          A evolução das notas e uma comparação aproximada entre elas é a seguinte:

          Equivalências aproximadas para notas GCSE, O-Level e CSE
          Grau GCSE Grau de nível O Grau CSE
          Inglaterra
          de 2017 a
          Irlanda do Norte
          de 2019 b
          País de Gales de 1994
          Inglaterra, NI 1994–2019 c
          1988–1993 1975–1987 d 1965–1987
          9 UMA* UMA* UMA UMA
          8 UMA
          UMA
          7
          6 B B B B
          5 C *
          C C C 1
          4 C
          3 D D D D 2
          E E E E 3
          2
          F F F você 4
          1
          G G G 5
          você você você você você

          • Notas:
            • GCSE graus 9 a 4 (A * a C) - Certificado e qualificação concedida. No GCSE, é considerado um 'bom passe', e confere uma qualificação no Nível 2 do RQF.
            • GCSE graus 3 a 1 (D a G) - Certificado e qualificação concedida. No GCSE, confere uma qualificação no Nível 1 do RQF.
            • U: não classificado / não classificado - nenhum certificado ou qualificação concedida
            • ^ a 9–1 graus gradativos por matéria entre 2017 e 2019 na Inglaterra
            • ^ b Novos graus A * –G na Irlanda do Norte a partir de 2019 [22]
            • ^ c Graus A * –G usados ​​no País de Gales desde 1994 e na Inglaterra e Irlanda do Norte entre 1994 e 2019
            • ^ d Antes de 1975, cada banca de exame tinha seu próprio sistema de classificação (algumas letras usavam, outras números). As notas eram atribuídas apenas às escolas e não eram registradas nos certificados dos alunos

            Editar notas de letras

            Quando os GCSEs foram introduzidos pela primeira vez em 1988, eles foram avaliados em uma escala de letras em cada disciplina: A, B, C, D, E, F e G sendo as notas de aprovação, com uma nota U (não classificado) abaixo do que não se qualificou o aluno para um certificado.

            Essas notas foram inicialmente definidas de forma que um GCSE grau C fosse equivalente a um O-Level grau C ou um CSE grau 1, embora as mudanças nos critérios de avaliação e limites ao longo dos anos signifiquem que essa comparação é apenas aproximada.

            Raramente, as notas X e Q são atribuídas. X indica que um curso não foi concluído na íntegra e, portanto, uma nota apropriada não pode ser calculada. A nota Q (consulta) é uma nota temporária que exige que a escola entre em contato com o corpo examinador. Esses dois últimos graus são geralmente provisórios e são substituídos por um grau regular assim que os problemas forem resolvidos. As notas X também são algumas vezes usadas para outros fins, em raras ocasiões, como para indicar que um examinador encontrou material ofensivo ou discurso de ódio nas respostas de um aluno. Em alguns casos, isso pode fazer com que o aluno perca todas as notas desse artigo ou curso. Essas notas são mais comuns em disciplinas que discutem questões éticas, como biologia, estudos religiosos e cidadania. [ citação necessária ]

            Em 1994, uma nota A * foi adicionada acima da nota A inicial para indicar um desempenho excepcional, acima do nível exigido para a nota A.

            De acordo com o esquema de notas de letras, os papéis do nível básico avaliam o conteúdo das notas C a G, enquanto os papéis dos níveis mais altos avaliam o conteúdo das notas A * a C. Nos papéis do nível básico, o aluno pode obter uma nota máxima de C, enquanto em um nível superior papel de nível, eles podem alcançar uma nota mínima de D. Se um candidato de nível mais alto perder a nota D por uma pequena margem, ele recebe um E. Caso contrário, a nota abaixo de E nesses papéis é U. Em papéis não-hierárquicos, os alunos pode obter qualquer grau no esquema. [ citação necessária ]

            Este esquema está sendo eliminado na Inglaterra, mas permanece no País de Gales e na Irlanda do Norte. Na Irlanda do Norte, o grau A * foi ajustado para cima com a introdução do esquema numérico na Inglaterra, de modo que um A * é equivalente a um novo grau 9 inglês. A Irlanda do Norte também adicionou um grau C * para se alinhar com o grau 5 na classificação de inglês. [ citação necessária ]

            Graus numéricos (2017 em diante) Editar

            A partir de 2017 na Inglaterra (e no País de Gales e na Irlanda do Norte com base nas qualificações dos órgãos de concessão baseados em inglês), a maioria dos GCSEs agora são avaliados em uma escala de 9 pontos, usando números de 9 a 1 e, como antes, um U (não classificado ) nota para aprovação abaixo da marca de aprovação mínima. De acordo com este sistema, 9 é o grau mais alto e é definido acima da antiga classificação A *, equivalente ao novo grau A * da Irlanda do Norte. O antigo grau C é definido no novo grau 4, agora conhecido como "passe padrão", e o grau 5 é considerado um "passe forte" no novo esquema.

            Embora menos qualificações tenham exames escalonados do que antes, o sistema de escalonamento ainda existe. No nível de base, os níveis 1, 2, 3, 4 e 5 estão disponíveis, enquanto no nível superior, os níveis 4, 5, 6, 7, 8 e 9 são direcionados. Mais uma vez, se um aluno de nível superior perder a nota 4 por uma pequena margem, ele receberá uma nota 3. As tarefas de avaliação e trabalho do curso controladas são eliminadas.

            A pessoa mais jovem conhecida por ter alcançado a 9ª série é Ellie Barnes, que alcançou a nota em Matemática aos 8 anos de idade. [23] [24] [25]

            Edição de resultados

            Os resultados do GCSE são publicados pela banca examinadora em agosto, para a série de exames anterior em abril a junho do mesmo ano. Normalmente, são divulgados uma semana após os resultados do Nível A, na quinta-feira, que ocorre entre 20 de agosto e 26 de agosto. Os resultados dos exames são divulgados aos centros (escolas) antes de serem divulgados aos candidatos e ao público. Os resultados dos exames são divulgados pelo Joint Council for Qualifications (JCQ), que representa as principais organizações que atribuem o GCSE. Alguns conselhos e escolas divulgam os resultados online, embora muitos ainda exijam que os alunos compareçam pessoalmente para coletar seus resultados no centro em que fizeram os exames. [26]

            Na Inglaterra, esses resultados passam a informar as tabelas classificatórias publicadas no ano letivo seguinte, com as principais métricas de desempenho de cada escola.

            Grades concedidas ao GCSE do Reino Unido (% 'idade) (sistema de letras) [27]
            UMA* UMA B C D E F G você A * + A A * -C entradas
            1988 N / D 8.4 12.8 20.7 19.3 16.6 12.5 6.3 3.4 8.4 41.9 5,230,047
            1989 9.9 13.8 21.9 19 15.8 11.2 5.6 2.9 9.9 45.6 5,132,998
            1990 10.8 14.4 22.5 18.7 15.3 10.6 5.2 2.5 10.8 47.7 5,016,547
            1991 11.4 14.7 22.4 18.6 15 10.5 5.3 2.2 11.4 48.5 4,947,593
            1992 12.3 15.3 22.9 18.6 14.7 9.9 4.7 1.6 12.3 50.5 5,028,554
            1993 12.5 15.9 23.1 18.6 14.2 9.3 4.4 1.8 12.5 51.5 4,968,634
            1994 2.8 10.2 18 21.8 18.7 13.7 9.3 4.1 1.5 13 52.8 5,029,599
            1995 3.2 9.9 17.8 22.1 18.6 14 9 3.9 1.5 13.1 53 5,431,625
            1996 3.4 10.3 18 22.3 18.6 13.4 8.7 3.8 1.5 13.7 54 5,475,872
            1997 3.6 10.5 18.1 22.3 18.7 13.3 8.5 3.6 1.5 14.1 54.4 5,415,176
            1998 4.1 10.6 16.5 23.6 18.6 13.2 7.6 3.5 2.3 14.7 54.8 5,353,095
            1999 4.4 10.8 16.9 23.7 18.7 12.7 7.5 3.3 2 15.2 55.8 5,374,751
            2000 4.6 11.2 17 23.8 18.4 12.5 7.2 3.2 2.1 15.8 56.6 5,481,920
            2001 4.9 11.2 16.9 24.1 18.3 12.1 7.1 3.3 2.1 16.1 57.1 5,632,936
            2002 5 11.4 17.4 24.1 18.1 12 6.7 3.2 2.1 16.4 57.9 5,662,382
            2003 5.1 11.6 17.3 24.1 17.7 11.7 6.8 3.3 2.4 16.7 58.1 5,733,487
            2004 5.6 11.8 17.3 24.5 17.3 11.3 6.6 3.2 2.4 17.4 59.2 5.875,373
            2005 5.9 12.5 18 24.8 17.3 10.5 6 2.8 2.2 18.4 61.2 5,736,505
            2006 6.3 12.8 18.3 25 17.3 10.2 5.6 2.6 1.9 19.1 62.4 5,752,152
            2007 6.4 13.1 18.6 25.2 17.2 9.8 5.3 2.4 2 19.5 63.3 5,827,319
            2008 6.8 13.9 19.8 25.2 16.6 9.1 4.7 2.3 1.6 20.7 65.7 5,669,077
            2009 7.1 14.5 19.9 25.6 16.5 8.5 4.4 2.1 1.4 21.6 67.1 5,469,260
            2010 7.5 15.1 20.6 25.9 15.9 7.8 4 1.9 1.3 22.6 69.1 5,374,490
            2011 7.8 15.4 21.7 24.9 15.1 7.8 4.1 2 1.2 23.2 69.8 5,151,970
            2012 7.3 15.1 21.7 25.3 15.9 7.7 4.1 1.9 1 22.4 69.4 5,225,288
            2013 6.8 14.5 21.5 25.3 16.6 8 4.1 2 1.2 21.3 68.1 5,445,324
            2014 6.7 14.6 21.9 25.6 16.3 7.6 3.8 2.0 1.5 21.3 68.8 5,217,573
            2015 6.6 14.6 22.1 25.7 16.4 7.6 3.7 1.9 1.4 21.2 69 5,277,604
            2016 6.5 14.0 21.4 25.0 16.9 8.3 4.2 2.1 1.6 20.5 66.9 5,240,796
            2017 7.1 14.2 20.6 23.5 16.8 9.3 4.7 2.3 1.5 21.3 65.3 3,694,771
            2018 7.0 14.7 21.8 23.4 15.2 8.5 4.5 2.7 2.2 21.7 66.9 860,246

            Fonte: Conselho Conjunto de Qualificações Gerais, por intermédio de Brian Stubbs.
            Observação: No último ano, estatísticas DES para O-Levels estão disponíveis e, em todas as disciplinas, 6,8% dos candidatos obtiveram nota A e 39,8% alcançaram notas de A a C.


            70 piadas hilariantes de matemática para crianças

            1. Cão pastor não tão inteligente

            Um dia, um cão pastor decide ajudar seu fazendeiro colocando todas as ovelhas no cercado. Depois de mandar as ovelhas para o cercado, ele retorna à fazenda para informar ao fazendeiro que todas as 40 ovelhas foram enviadas em segurança para seu refúgio.

            O fazendeiro diz: “São apenas 36 em vez de 40. Agora mesmo eu os contei”.

            Para isso, o cão pastor responde: “Sim, eu sei. Acabei de arredondar para você ”.

            2. Um dos melhores jogos de palavras em matemática

            P. Como você encontra o melhor professor de matemática da cidade?

            3. Podemos apostar que mesmo o melhor dos matemáticos não será capaz de responder a esta pergunta

            P. Quantos lados você encontra em um círculo?

            4. Bastante justo para o cão

            P. Por que o cachorro cruzou a faixa de Mobius?

            A. Porque ele queria ir para o mesmo lado.

            5. Agora, esse é um aluno obediente

            P. Por que o aluno de matemática fez sua lição de casa no chão?

            A. Porque seu professor o instruiu a não usar tabelas.

            6. Pelo menos um monstro é bom em matemática

            P. Qual monstro é bom em matemática?

            A. Ninguém na verdade, a menos que você conde Drácula!

            7. Somente os mais espertos conseguirão

            Existem dez tipos de pessoas no mundo. Aqueles que entendem de binários e aqueles que não.

            8. Sim, até as cobras são boas em matemática!

            P. Que tipo de cobra é melhor em matemática?

            9. Alguém está louco!

            P. O que um livro de álgebra disse ao outro?

            A. Por favor, não me incomode agora. Eu tenho que lidar com meus próprios problemas.

            10. Definitivamente, tentando neste inverno:

            P. Qual é a melhor maneira de se aquecer em uma sala quadrada?

            A. Você se amontoa no canto, onde está sempre a 90 graus.

            11. Não é um favorito dos humanos também?

            P. Qual é o tipo de matemática de pássaros mais favorito?

            12. Esse é o tipo de garantia de que precisamos

            P. O que a calculadora disse ao aluno?

            A. Você sempre pode contar comigo.

            13. Outro excelente trocadilho de matemática:

            P. Que ferramenta um matemático usa para arar um campo?

            14. Bem, nada de errado em ser um louco por fitness!

            P. Por que um círculo girou?

            A. Porque ele queria entrar em forma.

            15. Enigma da matemática para crianças:

            P. Se dois é uma empresa e três é uma multidão, o que são quatro e cinco?

            16. Outro enigma matemático para rachar você!

            P. Em um belo domingo de primavera, dois pais e dois filhos decidem ir pescar. A sorte bate e cada um deles pega um peixe. Mas eles trazem apenas três peixes para casa? Você pode dizer por quê?

            R. Porque um avô, seu filho e o filho de seu filho foram pescar. Portanto, havia apenas três pessoas.

            17. Ele não está completamente errado!

            Se eu tivesse 7 maçãs em uma mão e 8 laranjas na outra, o que eu teria?

            18. Piada Matemática de Halloween para Crianças:

            P. Se você dividir a circunferência de um Jack-O-Lantern pelo seu diâmetro, o que você obteria?

            19. A melhor maneira de melhorar sua matemática!

            Por que o aluno usava óculos durante a aula de matemática?

            Porque melhoraria a divisão.

            20. Não é um bolo muito delicioso, infelizmente!

            P. Por que a menina comeu seu dever de matemática?

            A. Porque seu professor de matemática disse a ela que era apenas um pedaço de bolo.

            21. Podemos sentir o engrossamento do enredo

            Não confie em um professor de matemática segurando um papel milimetrado. Eles podem estar tramando algo.

            22. Sempre há alguém no grupo

            P. Como você chama os amigos que amam matemática?

            23. Sim, até os números tendem a vagar!

            P. Qual é o termo para números que sempre vagam?

            24. Até mesmo os números almoçam

            P. Por que os dois 4s se recusaram a almoçar?

            R. Porque eles já 8 (comeram)!

            25. Piada de matemática de Natal para crianças

            P. Por que uma árvore de Natal artificial é como a quarta raiz de -68?

            R. Porque nenhum dos dois tem raízes reais!

            26. Correio de voz de um professor de matemática

            P. O que você provavelmente ouvirá no correio de voz de um professor de matemática?

            R. “O número que você discou não existe. Por favor, gire seu telefone em 90 graus e tente novamente.

            27. Realmente é (não)

            Você nunca deve realmente permitir que a matemática avançada o intimide. Porque é tão fácil quanto o pi!


            Conteúdo

            J.A. A Fair High School foi fundada em 1981, [ citation needed ] with construction completed and doors open to students in August 1982. [3] The school was named for James Augustus Fair, an educator, who spent his career as a biology teacher, administrator and after retirement served on the Pulaski County School Board.

            From its opening in 1982 through June 1987, FHS served as a junior/senior high school (grades 7-12) for the Pulaski County Special School District. In August 1987, FHS opened as solely a senior high school for the Little Rock School District, [3] one of 14 schools annexed to enhance desegregation efforts. FHS became a magnet school in the fall of 2000. With construction completed in the spring of 2004, the school now has three new labs for the academy programs, along with two new classrooms, a new band room, and an expanded cafeteria. [ citation needed ]

            In 2016 Michael Anthony became the principal. [4]

            Fair was replaced by a new high school in southwest Little Rock that began construction in 2017, [5] and opened as Little Rock Southwest High School in 2020. [6]

            The school features three magnet programs: Environmental Science, Information Science & Systems Engineering, and Medical Science, along with a Freshman Academy, High Schools That Work (HSTW), SECME. A variety of academic programs (which include 15 AP courses and a Community Based Instruction Program for students with moderate to severe disabilities), sports, club, and activity offerings.

            Three College and Career Academies: The Academy of Environmental Science, Enterprise Mobile Network Management Academy, and The Academy of Sports Medicine, along with a Freshman Academy. Academy-specific courses in technology, environmental studies, and sports medicine will drive the curriculum. Common groups of cross-disciplinary teachers will work with common groups of students throughout the academic year. All academy courses will target hands-on, project-based learning. The Business Industry will regularly interact with the students and teachers. Students will be required to create advanced senior projects designed to reflect high levels of college and career preparedness. We have an in-depth ongoing partnership with the University of Arkansas at Little Rock Department of Information Science via the Information Technology and E-Commerce Program and USDA. Year-round, regularly scheduled professional development will be provided to all teachers targeting learning goals aligned with technology. Students will be provided opportunities to gain industry certification and possible college credit.

            J A. Fair has also partnered with the Arkansas AIMS to strengthen the teaching of the AP® mathematics, science, and English courses and to build enrollment and increase the number of students taking and earning qualifying scores on AP® exams in these subjects.. A variety of academic programs (which include 15 AP courses and a Community Based Instruction Program for students with moderate to severe disabilities), sports, club, and activity offerings.

            The school mascot and athletic emblem is the War Eagle with the school colors of silver, blue (navy), and white.

            Athletics Edit

            Between the years of 2012–14, the J.A. Fair War Eagles participated in the 6A Classification within the 7A/6A South Conference as administered by the Arkansas Activities Association. Due to the enrollment count of J.A. Fair in the fall of 2014, they were reclassified within the 5A Central Conference for the 2014-2016 school years. The War Eagles competes in football, volleyball, cross country (boys/girls), bowling (boys/girls), swimming (boys/girls), basketball (boys/girls), soccer (boys only), baseball, softball, and track and field (boys/girls). [7]

            • Football: The War Eagles Football team won state football 5A championship in the fall of 1998, going on to defeat Cabot High School 41-0 continuing an undefeated season with a 14–0 record. The school placed 11 players on the Arkansas Democrat-Gazette's All Metro team following the victory led by Dameon Ashford, Tye Forte(QB), Faquan Harris, Gustavo Pena(K) and future NFL player Cedric Cobbs(RB).
            • Basketball: The War Eagles Basketball team won state basketball 5A championship in 2000 going on to defeat Fort Smith Southside 49-35 completing an undefeated season of 31–0. The War Eagles won another state championship in 2003 led by senior Vince Hunter who won the MVP of the Class 4A state tournament, he averaged 15.0 points, 12.0 rebounds and 8.0 blocked shots a game as a senior.
            • Cross Country: The War Eagles boys cross country team won a state cross country championship in fall 2001.
            • Tennis: The War Eagles boys tennis team won a state tennis championship in spring 1998.
            • Track and field: The War Eagles boys track team won a state track championship in spring 1999 led by All-American Nominee Kyle Cleveland.

            Clubs and traditions Edit

            Fair students may participate or be selected for a variety of clubs and organizations including Art Club, Band, Beta Club, Choir, FBLA, FCCLA, National Honor Society, Fire Marshals, Quiz Bowl, Student Council, and Yearbook.


            Conteúdo

            Born in San Francisco, California, Fair was the son of Robert A. Fair. [1] He attended St. Paul's Grammar School in San Francisco and graduated in 1941 from the High School of Commerce, where he was active in the school's Reserve Officer Training Corps program. [1] [4]

            Fair attended the University of San Francisco before receiving an appointment to the United States Military Academy. He entered West Point on July 19, 1942. He was appointed by Rep (R-CA) Richard J. Welch, the California 5th District. Found to be deficient in Mathematics, he was dismissed on January 12, 1943. [5] Prior to his enlistment in the Army, he also attended the University of Chicago from 1943 to 1944. [1]

            Fair attended Infantry Officer Candidate School at Fort Benning, Georgia, and received his commission as an Infantry officer in 1944. [1]

            His initial assignment was as an instructor in the Weapons Department at The Infantry School, Fort Benning. Following attendance at the University of Michigan for Japanese language training, First Lieutenant Fair served as an intelligence officer and interpreter on General MacArthur's Staff in Tokyo from 1946 to 1948. [4]

            He returned to the United States in August 1948, and was assigned to Fort Lewis, Washington, where he served as a platoon leader and regimental staff officer with the 23d and 38th Infantry Regiments. [1]

            Korean War Edit

            In August 1950, he accompanied the 38th Infantry Regiment to Korea. Fair served on the 38th Infantry Regimental Staff during the Korean War, where he fought on the Naktong River and later was to meet the Chinese Forces in North Korea he later became the G-3 (Air), 2nd Infantry Division. [1] Fair was awarded the Silver Star, Bronze Star, and Purple Heart medals and an Army Commendation Ribbon for meritorious service. [6] On November 29, 1950, Captain Fair earned the Silver Star for actions with Headquarters Company, 38th Infantry Regiment, in the vicinity of Kunu-ri. [7]

            Interwar service Edit

            Upon returning to the United States, he served as Assistant G-3 (Operations), Sixth U.S. Army at The Presidio of San Francisco in California. In August 1952, he attended the Infantry Officers' Advanced Course at Fort Benning, Georgia. Upon graduation, Captain Fair was assigned as the Regimental Operations Officer (and Ceremonial Officer) for the 3d Infantry Regiment (The Old Guard) at Fort Myer, Virginia, until August 1954. [1]

            After attending the Command and General Staff College at Fort Leavenworth, Kansas, as a Captain, Fair was assigned to Headquarters, V Corps, U.S. Army Europe as the Plans Officer, G-3/5/7.
            He attended the Armed Forces Staff College in Norfolk, Virginia, from August 1958 to January 1959. From there he served as a staff officer in the Joint War Plans Division, Office of the Deputy Chief of Staff for Military Operations from January 1959 to August 1960.

            His next assignment took him to Offutt Air Force Base, Nebraska, where he worked on the Joint Strategic Target Planning Staff as a Plans Officer. From August 1962 to June 1963, he attended the Naval War College in Newport, Rhode Island. Following this he became Secretary of the General Staff, Headquarters, Eighth U.S. Army from July 1963 to August 1964. [1]

            In August 1964, Lieutenant Colonel Fair assumed command of the 1st Battalion, 6th Infantry (Mechanized), 1st Armored Division at Fort Hood, Texas.

            He then returned to Washington, D.C., where he served as a member of the Department of the Army Board of Inquiry on the Army Logistics System the Chief of the Coordination Division, Office of the Chief of Staff, and subsequently as Executive Officer to the Vice Chief of Staff, U.S. Army. [1]

            Vietnam War Edit

            Colonel Fair commanded 1st Brigade, 25th Infantry Division in Tay Ninh, in South Vietnam, in 1968–1969. He received the Vietnamese Cross of Gallantry for his participation in heavy fighting around Ven Cau. During combat in Vietnam, his brigade was awarded the U. S. Valorous Unit Award and the Vietnamese Cross of Gallantry (with Palm). [1] He was instrumental in establishing a "Holiday Inn" in the Tay Ninh province so that soldiers returning from combat missions had an opportunity to shower, do laundry, repair their gear, and get a good night's sleep, a hot meal, and a little rest and recuperation (R & R). Fair was quoted, "We want to make the man who struggles in the field day and night, week after week, feel like a king for a couple of days." He later became the Chief of Staff, 25th Infantry Division, in Cu Chi, Vietnam.

            Cold War Edit

            Fair was assigned to the Management Information Systems Directorate, Office of the Assistant Vice Chief of Staff from September 1969 to April 1970. He later became Director of the Management Information Systems, and was promoted to Brigadier General. [1] Fair commanded the 2nd Armored Division at Fort Hood from July 16, 1973, to August 5, 1975. He worked diligently for operations-intelligence integration as the 2nd Armored Division prepared for its return of forces to Germany (Exercise Reforger) mission, and their annual Reforger exercise supporting the Army’s operational plans. During the Cold War, the 2nd Armored Division's primary mission was to prepare to conduct heavy armored combat against Warsaw Pact forces in defense of NATO. Hell On Wheels formed a key component of the U.S. military's plan to move "ten divisions in ten days" to Europe in the event of a Soviet threat to NATO. The division practiced this task numerous times during Exercise REFORGER (Return of Forces to Germany) from 1967 to 1988. [8]

            Josiah Bunting noted in his 1975 article on the Volunteer Army: "In fiscal 1974, Fair's division reenlistment goal was 813: 1222 took their burst of six. In July 1973, before Fair got to the division, the A.W.O.L. rate was 44 per 1000 a year later, it was 14 per 1000. From January to June 1974, 1194 troopers raised their G.T. scores, and of all the soldiers who re-upped when Fair was in command, 72 percent re-enlisted for his division." Bunting commented that Fair would be "a tough act to follow." [9]

            On August 25, 1975, Lieutenant General Fair assumed command of V Corps at Frankfurt, Federal Republic of Germany from Lieutenant General William R. Desobry. He was responsible for the training and readiness of V Corps, headquartered at Abrams Barracks, which included the 8th Infantry Division (Mechanized) "Pathfinder," the 3rd Armored Division "Spearhead," and the 11th Armored Cavalry Regiment "Blackhorse." Major General John R.D. Cleland, Jr. commanded the "Pathfinder" Division, which was headquartered at Rose Barracks, Bad Kreuznach. Major General (later Lieutenant General) Charles J. Simmons commanded the "Spearhead" Division headquartered at Frankfurt. Colonel (later Lieutenant General) John L. Ballantyne III commanded the "Blackhorse" Regiment headquartered at Fulda.

            While he was reportedly the only modern day corps commander to be relieved of duty during peacetime, [10] [11] a Time magazine article noted, "Lieut. General Robert L. Fair is headed for a more prosaic destination, however, and defenders of a tough, no nonsense, old-style Army are dismayed. As of next week Fair, 52, will retire for 'personal reasons' – the most important being that he and his commanding officer hated each other's guts." [12] General George S. Blanchard served as the USAREUR Commander from 1975-1979. In fact there is no evidence that either general did not respect the other. Truth of the matter, Gen Fair was most concerned about troop readiness and Gen Blanchard was concerned about his obligations to Congress. Both Generals were dedicated to service to the US Army. Gen Blanchard sent Gen Fair a back channel message advising him to return monies he had transferred from construction to training back to construction. Gen Fair did not do so. These funds were regulated by US Congress. [13] Lieutenant General (later General) Donn A. Starry assumed command of V Corps on February 16, 1976. [14]

            Following retirement from the military, Fair worked for SRI International, formerly Stanford Research Institute, before transitioning to Lockheed Corporation. While at Lockheed, he worked on the MQM-105 Aquila remote piloted vehicle (RPV), [15] now called unmanned aerial vehicles (UAV).

            Fair died on September 14, 1983, at Santa Clara, California. He is buried on The Presidio of San Francisco at San Francisco National Cemetery [16]

            Fair was married to the former Alys Tendrich on July 9, 1949. They had three children. [1]

            Major Lieutenant Colonel Colonel
            O-4 O-5 O-6
            July 10, 1956 June 13, 1961 October 12, 1966

            Brigadier General Major General Lieutenant General
            O-7 O-8 O-9
            June 1, 1970 May 1, 1972 August 5, 1975

            General Fair’s awards include the Silver Star, Legion of Merit with two Oak Leaf Clusters, Distinguished Flying Cross, Bronze Star with two Oak Leaf Clusters, Purple Heart with two Oak Leaf Clusters, Air Medal, Combat Infantryman’s Badge with Star (two awards), and Army Staff Identification Badge. His foreign awards include the Vietnam Distinguished Service Order (2nd Class), Vietnam Cross of Gallantry with Gold and Bronze Stars, the Vietnam Armed Forces Honor Medal (1st Class), and the Vietnam Psychological Operations Award (1st and 2nd Class). [1]


            Independência

            Finally, let’s introduce the concept of independence, and two key theorems that deal with it.

            (A) is independent of (B) if (p(A given B) = p(A)) and (p(A) > 0) .

            Now we can state and prove the Multiplication rule.

            If (A) is independent of (B) , then (p(A wedge B) = p(A)p(B)) .

            Finally, we prove another useful fact about independence, namely that it goes both ways.

            Independence is Symmetric

            If (A) is independent of (B) , then (B) is independent of (A) .

            We’ve now established that the laws of probability used in this book can be derived from the three axioms we began with.


            3.1. Demographic Characteristics of the Participants

            3.2. Mental Health Knowledge Level among College Students

            3.3. Depressive Symptoms among College Students

            3.4. Associated Factors of Depressive Symptoms among College Students

            3,5. Association between Mental Health Knowledge Level and Depressive Symptoms among College Students

            0.98) and the 4th quartile (18

            0.99) were associated with a lowered risk of depressive symptoms, compared with MHKQ scoring in the 1st quartile (0

            15). After adjusting for personal associated factors such as family origins, physical status, sleep quality, and academic performance, college students with MHKQ scoring in the 3rd quartile (17

            0.98) and the 4th quartile (18

            0.91) were associated with a lowered risk of depressive symptoms, compared with MHKQ scoring in the 1st quartile (0

            15). After adjusting personal associated factors and family-associated factors such as parents’ physical status, parents’ mental health status, and parents’ marital status, college students with MHKQ scoring in the 3rd quartile (17

            0.99) and the 4th quartile (18

            0.97) were associated with a lowered risk of depressive symptoms, compared with MHKQ scoring in the 1st quartile (0


            6 (Initial) conclusions and areas for future research

            AI has attracted significant antitrust interest, raising the question of whether the competition regimes as they stand are ready to address potentially anti-competitive outcomes arising from AI decisions. Although many issues arising with AI elide with the antitrust debate around Big data, AI and the use of algorithms raises its own rather specific issues.

            The AI antitrust scholarship makes a bold claim that AI is an enabler of tacit collusion and could increase the scope for anti-competitive outcomes at even lower levels of concentration than associated with antitrust orthodoxy. However, even the brief examination of these claims in this article has unearthed alternative hypotheses which need to be fully tested before the theory can be incorporated in policy and legal environments without running the risk of being counter-productive.

            • Analysis of the effects of algorithms on incentives for tacit collusion and their destabilizing effects including in markets which are not already prone to tacit collusion. In particular, this involves understanding how robust the predictions in the AI literature are to their assumptions (e.g. algorithmic heterogeneity, larger number of sellers etc).
            • Whether there might be alternative outcomes which present competition or other concerns but which are not caught within traditional antitrust paradigms (e.g. data capture, data extraction and co-opetition between super-platforms and applications developers).
            • Understanding rational and harmful price transparency and whether and when particular consumer outcomes are an appropriate case for antitrust intervention. This accepts that consumers make bad decisions even in competitive markets and that instances of consumers making bad decisions caused by algorithmic pricing may not be an appropriate case for antitrust intervention.
            • Understanding countervailing AI strategies by buyers under a range of assumptions, including across B2C and B2B markets.
            • Understanding the appropriate boundaries of liability and the circumstances in which an algorithm may be traced back to its owners and the extent to which those owners should be subject to (vicarious) antitrust responsibilities and enforcement.
            • Understanding the main goals of antitrust which are impacted by AI. The current resistance on the part of regulators in Europe and the United States to regulate wealth transfers between AI sellers and buyers could place limits on the application of antitrust to consumer exploitation such as through data extraction. Ezrachi and Stucke have, however, presented an additional gloss in the idea that virtual competition increases the ‘dead weight loss by increasing distrust’. 44 Further examination is needed as to whether presenting the social costs of algorithms within a paradigm of (mis)trust provides an appropriate analytical construct that is capable of real-world application so as to legitimize antitrust interventions within a coherent welfare-based model.
            • Where personal data is shared with another market participant, the extent to which such data sharing would involve sharing of competitively sensitive information with a competitor and how such sharing may be compatible with antitrust law. 45

            Ezrachi A. & Stucke M. , Virtual Competition: The Promise and Perils of the Algorithm-Driven Economy , ( Harvard University Press , 2016 ).

            Virtual Competition: The Promise and Perils of the Algorithm-Driven Economy 2016

            Tacit collusion is a form of collusion typically seen in an oligopolistic market structure, where competing firms providing a good do not explicitly collude on any feature (such as price, quantity, or product characteristics), but rather, observe and imitate each other's actions in a way that is mutually beneficial to both sides.

            Co-opetition involves collaboration between competitors, in the hope of mutually beneficial results.

            See, further, Artificial Intelligence, Emerging Opportunities, Challenges, and Implications, Highlights of a Forum Convened by the Comptroller General of the United States (March 2018, GAO-18-142SP), available at: https://www.gao.gov/assets/700/690909.pdf.

            Russel S. & Norvig P. , Artificial Intelligence: A Modern Approach , ( Pearson , 2010 ).

            Artificial Intelligence: A Modern Approach 2010 3

            Nilsson N. , The Quest for Artificial Intelligence: A History of Idea and Achievement , ( Cambridge University Press , 2009 ).

            The Quest for Artificial Intelligence: A History of Idea and Achievement 2009

            Cambridge University Press

            Regulation (EU) 2016/679 on the protection of natural persons with regard to the processing of personal data and on the free movement of such data, and repealing Directive 95/46/EC (General Data Protection Regulation) O.J. 2016 L 119/1 (‘GDPR’).

            The personal data requiring greater protection under the GDPR may be grouped into the following broad categories: Special categories of data. Special categories of data are, for the purposes of processing under the GDPR: personal data revealing racial or ethnic origin, political opinions, religious or philosophical beliefs, or trade union membership, and the processing of genetic data, biometric data for the purposes of uniquely identifying a natural person, data concerning health or data concerning a natural person's sex life or sexual orientation (Article 9(1), GDPR). Criminal conviction and offence data. Processing of personal data relating to criminal convictions and offences or related security measures based on Article 6(1) shall be carried out only under the control of official authority or when the processing is authorised by Union or Member State law providing for appropriate safeguards for the rights and freedoms of data subjects. Any comprehensive register of criminal convictions shall be kept only under the control of official authority (Article 10, GDPR).

            S. Mehra, ‘Antitrust and the Robo-Seller: Competition in the Time of Algorithms’ ( 2006 ) 100 Minnesota Law Review 1323 – 75 .

            Data perturbation is a data security technique that modifies the database to preserve the privacy and confidentiality of the data.

            Data masking is a method of creating a structurally similar but inauthentic version of an organization's data that can be used for purposes such as user training or software testing.

            Communication from the European Commission – Guidelines on the applicability of Article 101 of the Treaty on the Functioning of the European Union to horizontal co-operation agreements, O.J. 2011 C11/1 (‘Horizontal Cooperation Guidelines’).

            JJB Sports plc v Office of Fair Trading Allsports Limited v Office of Fair Trading [2006] EWCA Civ 1318, para 141.

            The European Data Protection Supervisor (‘EDPS’) is the EU's independent data protection authority.

            Opinion 8/2016, EDPS Opinion on coherent enforcement of fundamental rights in the age of big data (23 September 2016) p 6, available at: https://edps.europa.eu/sites/edp/files/publication/16-09-23_bigdata_opinion_en.pdf.

            See, further, Case C-82/01 Aeroports de Paris v Commission EU:C:2002:61 and section C (priced-based exclusionary conduct), Communication from the European Commission: Guidance on its enforcement priorities in applying Article 82 of the EC Treaty to abusive exclusionary conduct by dominant undertakings, O.J. 2009 C45/7 (Article 82 ‘Priority Guidance’).

            See, e.g., Aeroports de Paris (fn 16).

            During periods of excessive demand or scarce supply, when there are far more riders than drivers, Uber increases its normal fares with a multiplier whose value depends on the scarcity of available drivers. See, further: ‘Surge pricing: How it works and how to avoid it’ (BBC, 15 January 2018), available at: https://www.bbc.co.uk/news/av/business-42661404/surge-pricing-how-it-works-and-how-to-avoid-it.

            CMA, Energy Market Investigation, Final Report (24 June 2016).

            Energy Market Investigation (fn 20), para 175.

            CMA, Consumer Protection: Enforcement Guidance (17 August 2016) (CM58) (‘Consumer Protection Enforcement Guidance’), para 2.2.

            European Commission, Final report on the E-Commerce Sector Inquiry (COM(2017) 229 final). Case page available at: http://ec.europa.eu/competition/antitrust/sector_inquiries_e_commerce.html.

            CMA, Market Study on Digital Comparison Tools, Final Report (26 September 2017).

            CMA, Private motor insurance market investigation, Final Report (24 September 2014).

            Directive 2005/29/EC concerning unfair business-to-consumer commercial practices in the internal market, O.J. 2005 L149/22.

            These principles were developed in conjunction with the 2017 Asilomar conference. Further information can be found at https://futureoflife.org/ai-principles/.

            European Parliament resolution of 16 February 2017 with recommendations to the Commission on Civil Law Rules on Robotics (2015/2103(INL)), O.J. 2018 C 252/239.

            In September 2000 Amazon offered to sell a buyer a DVD for one price, but after the buyer deleted cookies that identified him as a regular Amazon customer, he was offered the same DVD for a substantially lower price. Amazon's CEO Jeff Bezos subsequently apologised for the differential pricing and promised that Amazon ‘never will test prices based on customer demographics’: see ‘Bezos calls Amazon experiment a mistake’ (28 September 2000), available at: https://www.bizjournals.com/seattle/stories/2000/09/25/daily21.html.

            Bundeskartellamt 18th Conference on Competition Berlin (16 March 2017).

            See, further, the European Commission's guidance to businesses on compliance with competition law, available on its website at https://ec.europa.eu/competition/antitrust/compliance/index_en.html.

            European Commission , Competition Policy for the digital era , Final report ( April 2019 ). Available at: https://ec.europa.eu/competition/publications/reports/kd0419345enn.pdf .

            See, further, Competition Policy for the digital era (fn 32), ch 3.

            Case 39740 Google Search (Shopping), European Commission decision of 27 June 2017 (C(2017) 4444 final). Case page available at: https://ec.europa.eu/competition/elojade/isef/case_details.cfm?proc_code=1_39740.

            Case 50565-2 Digital piano and digital keyboard sector: anti-competitive practices (1 August 2019).

            ‘David Currie on the role of competition in stimulating innovation’, Speech given by CMA Chairman, David Currie, at the Concurrences Innovation Economics Conference, King's College London (3 February 2017), available at: https://www.gov.uk/government/speeches/david-currie-on-the-role-of-competition-in-stimulating-innovation.

            CMA , Pricing algorithms, Economic working paper on the use of algorithms to facilitate collusion and personalised pricing ( 8 October 2018 ) (CMA94) (‘Pricing algorithms’), available at: https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/746353/Algorithms_econ_report.pdf .

            Pricing algorithms (fn 37), para 7.17.

            Pricing algorithms (fn 37), para 8.6.

            Pricing algorithms (fn 37), para 5.37.

            Department of Justice press release No 15-421, Former E-Commerce Executive Charged with Price Fixing in the Antitrust Division's First Online Marketplace Prosecution (6 April 2015).

            Case No 37 of 2018, Order of 6 November 2018, available at: https://www.cci.gov.in/sites/default/files/37of2018.pdf.

            Section 3 of the Indian Competition Act 2002 was informed by and is the practical equivalent under Indian competition law to Article 101 TFEU and Chapter I of the UK Competition Act 1998.

            Ezrachi and Stucke (fn 1), p 242.

            A current debate is whether there is an enforcement gap in mergers in relation to lost potential competition in such situations and in Big data scenarios more generally. This issue of whether AI in the hands of a limited number of data controllers is adequately addressed under merger control was not explored in this article.


            Assista o vídeo: uma divisão justa (Outubro 2021).