Artigos

13.7: Nova Página


13.7: Nova Página

34. Dê-me a religião dos velhos tempos (Hebreus 13: 7-9)

7 Lembre-se de seus líderes, que falaram a mensagem de Deus para você, reflita sobre o resultado de suas vidas e imite sua fé. 8 Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre! 9 Não se deixe levar por todos os tipos de ensinamentos estranhos. Pois é bom que o coração seja fortalecido pela graça, não pelas refeições [alimentos] rituais, 1 que nunca beneficiaram aqueles que delas participaram (Hebreus 13: 7-8) 2

Introdução

Há alguns anos, meus pais levaram minha avó com eles quando fizeram uma viagem para Taiwan, onde minha irmã Ruth e seu marido, David, serviram como missionários. Foi talvez o melhor momento da vida da minha avó. Sua vida não tinha sido fácil. Ela viveu a depressão e teve que trabalhar duro para sustentar sua família. O que tornou sua estada em Taiwan tão especial foi que os chineses têm um grande respeito pela idade. Onde quer que ela fosse, ela era tratada como realeza. Ela amou cada momento disso.

Isso está muito longe da maneira como nossa cultura ocidental vê os idosos. A sabedoria e a maturidade são vistas com desdém, e às vezes os idosos têm a impressão de que estão absorvendo oxigênio e bens imóveis que seriam mais bem usados ​​por outros. As condições deploráveis ​​em muitos de nossos lares de idosos são apenas um exemplo de nossa falta de respeito e compaixão pelos idosos. Como resultado, nossa cultura tende a desprezar tudo o que é antigo, preferindo o que é "novo e melhorado". Infelizmente, essa atração pelo que é novo se aplica à religião. Ironicamente, esse fascínio pelo "novo" não é realmente "novo":

16 Enquanto Paulo esperava por eles em Atenas, seu espírito ficou muito transtornado porque viu que a cidade estava cheia de ídolos. 17 Portanto, ele se dirigia aos judeus e aos gentios tementes a Deus na sinagoga, e na praça todos os dias aos que por acaso estavam lá. 18 Além disso, alguns filósofos epicureus e estóicos conversavam com ele, e alguns perguntavam: “O que esse tagarela tolo quer dizer?” Outros disseram: “Ele parece ser um proclamador de deuses estrangeiros”. (Disseram isso porque ele estava proclamando as boas novas sobre Jesus e a ressurreição.) 19 Então, pegaram Paulo e o levaram ao Areópago, dizendo: “Podemos saber qual é esse novo ensino que você está proclamando? 20 Pois você está trazendo coisas surpreendentes aos nossos ouvidos, por isso queremos saber o que significam. ” 21 (Todos os atenienses e os estrangeiros que viviam lá costumavam gastar seu tempo com nada mais do que contar ou ouvir algo novo.) (Atos 17: 16-21, ênfase minha)

Nesta lição, procurarei demonstrar que a única religião verdadeira é "aquela religião dos velhos tempos" descrita na Bíblia - uma fé pessoal em Jesus Cristo como o Mediador da Nova Aliança por meio de Seu sacrifício definitivo pelos nossos pecados na cruz do Calvário. Veremos que os crentes hebreus foram instruídos a lembrar de seus antigos líderes, a contemplar o exemplo de suas vidas e, então, a imitar sua fé (Hebreus 13: 7). Eles devem reconhecer que o Senhor Jesus não muda Ele “É o mesmo ontem, hoje e para sempre” (Hebreus 13: 8). E por causa disso, eles devem evitar as novas e inovadoras partidas do “Fé uma vez por todas entregue aos santos” (Hebreus 13: 9 veja também Judas 3).

Nosso Texto no Contexto

O capítulo 13 é um texto muito prático, pois aqui o autor explica aos seus leitores como deve ser “correr com perseverança a corrida que nos foi proposta”. Nos versículos 1 a 6, o autor convida seus leitores a persistirem na prática do amor fraternal. O amor fraternal é realizado quando os cristãos mostram hospitalidade para com estranhos (13: 2), lembram-se dos que estão na prisão e dos perseguidos por causa de sua fé (13: 3), quando temos o casamento em honra ao manter a pureza sexual no casamento (13: 4 ), e quando temos um estilo de vida livre do amor ao dinheiro (13: 5-6). Como indiquei anteriormente, as manifestações de amor fraternal enunciadas nos versículos 1-6 de Hebreus 13 são semelhantes às qualificações que Paulo estabelece para os presbíteros em 1 Timóteo:

1 Este ditado é confiável: “Se alguém aspira ao cargo de superintendente, deseja um bom trabalho.” 2 O superintendente, então, deve ser irrepreensível, o marido de uma esposa, temperado, autocontrolado, respeitável, hospitaleiro, um professor capaz, 3 não um bêbado, não violento, mas gentil, não contencioso, livre do amor ao dinheiro. 4 Ele deve administrar bem sua própria casa e manter seus filhos sob controle, sem perder sua dignidade. 5 Mas, se alguém não sabe como administrar sua própria casa, como cuidará da igreja de Deus? 6 Ele não deve ser um convertido recente, ou pode se tornar arrogante e cair na punição que o diabo exigirá. 7 E ele deve ser bem visto por aqueles que estão fora da fé, para que não caia em desgraça e seja pego na armadilha do diabo (1 Timóteo 3: 1-7, grifo meu).

Visto que o Senhor Jesus é o mesmo e não mudará (13: 8), então não apenas nossa esperança é certa e certa, nossa doutrina nunca precisa de revisão e, portanto, sabemos que não devemos ser atraídos por aquilo que é novo e romance (13: 9). Em particular, o autor enfoca os desvios da sã doutrina (graça) que são baseados em distorções relacionadas aos alimentos. O pensamento de alimentos leva o autor a fazer a transição no versículo 10 para o tema, “Fora do acampamento” nos versículos 10-14, o assunto de nossa próxima lição.

Lembre-se de líderes do passadoHebreus 13: 7

Lembre-se de seus líderes, que falaram a mensagem de Deus para você, reflitam sobre o resultado de suas vidas e imitem sua fé. Hebreus (13: 7).

Permita-me fazer várias observações sobre o que é dito no versículo 7.

Primeiro, vimos nas qualificações para presbíteros em 1 Timóteo 3 que os presbíteros devem ser um modelo de amor fraternal, conforme descrito em Hebreus 13: 1-6. Portanto, não é nada surpreendente encontrar esta instrução para lembrar e imitar a fé dos líderes do passado. 3

Em segundo lugar, os líderes dignos de nossa lembrança e imitação são aqueles que falaram a Palavra de Deus para nós. Este é claramente o caso com os apóstolos, 4 mas também deveria ser verdade para qualquer presbítero ou líder de igreja.

Terceiro, líderes dignos são aqueles que terminaram bem, homens cujas vidas e liderança foram concluídas no passado. 5 Devemos lembrar que o capítulo 12 começou com a exortação de correr com perseverança a corrida que nos foi proposta. Não se faz isso sem terminar bem. Quando o autor nos exorta a “Refletem sobre o resultado de suas vidas,” ele sugere que esses líderes têm “Terminou seu curso” (para usar as palavras de Paulo). 6 Em linguagem simples, esses líderes morreram, e a maneira como lidaram com a morte e a morte eram consistentes com a fé, não muito diferente dos santos do Velho Testamento mencionados em Hebreus 11: 13-16. Acredito que alguns, senão a maioria, desses líderes morreram bem em circunstâncias adversas (como a perseguição descrita em Hebreus 10: 32-34). Alguns podem muito bem ter morrido como mártires. Assim como o fracasso dos líderes pode afetar adversamente outras pessoas, 7 a fidelidade dos líderes em circunstâncias difíceis pode ser uma bênção para outras pessoas.

Quarto, o autor fala de mais de um líder, usando o plural “Líderes”. Isso é muito consistente com nosso entendimento da política da igreja. A igreja não é governada por um homem, mas por uma pluralidade de presbíteros. O plural “Líderes” também pode ampliar a categoria de “Líderes”, algo que espero demonstrar em breve.

Quinto, a palavra “Líderes” é uma tradução de um particípio presente, o que explica a tradução mais exata da Nova Versão King James: "Lembre-se daqueles que governam sobre você." Por que o autor usaria um particípio presente ao se referir a líderes do passado que terminaram bem, mas estão mortos? Deixe-me sugerir uma explicação que seja consistente com o que lemos anteriormente sobre Abel em Hebreus 11:

Pela fé Abel ofereceu a Deus um sacrifício maior do que Caim, e por meio de sua fé ele foi elogiado como justo, porque Deus o elogiou por suas ofertas. E por meio de sua fé ele ainda fala, embora esteja morto (Hebreus 11: 4, ênfase minha).

Sabemos que todos os santos do Antigo Testamento morreram sem terem recebido as promessas de Deus porque essas são bênçãos espirituais que herdamos após a morte (Hebreus 11: 8-10, 13-16). Por causa de sua fé, os santos do Antigo Testamento ainda "falam". Da mesma forma, aqueles homens que lideraram no passado continuam a liderar por nossa memória deles, pelo apreço por seu ministério e por nossa imitação de sua fé. Assim, os líderes a que o autor se refere são aqueles que lideraram no passado, mas cujo exemplo e ensino persistem no presente. Terei mais informações sobre este ponto na minha conclusão.

A imutabilidade de Jesus CristoHebreus 13: 8

Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre! (Hebreus 13: 8)

Tenha paciência comigo enquanto lembro a você como o espaço (distância) pode impactar nossa fé. Em Gênesis 20, Abraão mais uma vez 8 passou por sua esposa Sara como sua irmã - e, portanto, como uma mulher que era elegível para o casamento (e isso não muito antes de ela dar à luz o filho prometido). Quando Abimeleque soube do engano de Abraão, ele o repreendeu e perguntou o que o levou a mentir. Com efeito, Abraham culpou a geografia:

9 Abimeleque chamou Abraão e disse-lhe: “Que nos fizeste? Que pecado eu cometi contra você que faria com que você trouxesse tanta culpa sobre mim e meu reino? Você fez coisas para mim que não deveriam ser feitas! ” 10 Então Abimeleque perguntou a Abraão: “O que o levou a fazer isso?” 11 Abraão respondeu: "Porque eu pensei, 'Certamente ninguém teme a Deus neste lugar. Eles vão me matar por causa de minha esposa '”(Gênesis 20: 9-11, ênfase minha).

Era como se Abraão estivesse dizendo: “Eu sei que Deus prometeu cuidar de mim na terra de Canaã, mas aqui estou neste lugar abandonado por Deus. Quem pode me proteger aqui? Eu tinha que cuidar de mim mesma da melhor maneira que pudesse, e foi pedindo a Sarah que mentisse, dizendo que ela era minha irmã. ”

Outro exemplo de racionalização geográfica é encontrado em 1 Reis 20. Ben-Hadade, rei da Síria, havia atacado Israel, mas Deus deu a vitória aos israelitas. 9 Como eles poderiam explicar a derrota de um exército tão grande e poderoso por uma força israelita tão pequena? Os sírios encontraram uma maneira:

26 Na primavera, Ben Hadad reuniu o exército sírio e marchou até Afeque para lutar contra Israel. 27 Quando os israelitas se reuniram e receberam seus suprimentos, eles marcharam para enfrentá-los na batalha. Quando os israelitas se posicionaram em frente a eles, eram como dois pequenos rebanhos de cabras, mas os sírios encheram a terra. 28 O profeta visitou o rei de Israel e disse: "Isto é o que o Senhor diz: 'Porque os sírios disseram:"O Senhor é um deus das montanhas e não um deus dos vales, ”Vou entregar a você todo este enorme exército. Então você saberá que eu sou o Senhor. '”29 Os exércitos foram posicionados frente a frente por sete dias. No sétimo dia, a batalha começou e os israelitas mataram 100.000 soldados sírios de infantaria em um dia (1 Reis 20: 26-29, grifo meu).

Os sírios explicaram sua derrota alegando que Israel "Deus" era um “Deus das montanhas e não um deus dos vales”. Em outras palavras, se os israelitas lutaram nas montanhas, seu "Deus" lhes daria a vitória, mas se lutassem nas planícies, os sírios teriam vencido. Foi assim que os sírios fizeram uma revanche e foram novamente derrotados. Meu objetivo aqui é mostrar como algumas pessoas usam a geografia para racionalizar suas decisões, ações ou falhas.

Hoje em dia, o “tempo” parece ser a melhor base para a racionalização. Pense nisso, a teoria evolutiva se baseia na premissa de que com o tempo tudo mudará e que, com o tempo, a vida mudará de uma forma para outra. Assim, a teoria da evolução é usada para explicar a existência da criação.

Mas os cristãos têm sua própria variação desse erro. O tempo se torna minha desculpa para deixar de lado um comando muito claro das Escrituras. Quando Paulo apresenta a maneira como a igreja deve se conduzir quando se reúne semanalmente para adoração, 10 há muitos que não gostam de suas instruções. E então eles nos dizem: "Bem, você deve entender que os coríntios cometeram um certo tipo de erro que não experimentamos hoje." Ou podem dizer: “Bem, era apenas Paulo, dirigindo-se àquelas pessoas naquela época e em suas circunstâncias. Agora, os tempos são diferentes, então as instruções de Paulo não se aplicam a nós. ” A passagem do tempo torna-se assim a nossa desculpa para a desobediência.

Os falsos mestres sobre os quais Pedro avisa em 2 Pedro também procuraram usar o tempo como desculpa para o pecado:

3 Acima de tudo, entenda isto: Nos últimos dias, escarnecedores gritantes virão, sendo impelidos por seus próprios ímpetos malignos 4 e dizendo: “Onde está o seu retorno prometido? Pois, desde que nossos antepassados ​​morreram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação ”(2 Pedro 3: 3-4).

Neste caso, o argumento é que por um longo período de tempo, Deus não fez nada para julgar o pecado, o que prova (assim eles afirmam) que Deus não se importa com o pecado ou que Deus é incapaz de agir. Pedro explica que a demora não é tão longa e que é motivada pela graça. 11

Então, com o passar do tempo, parecia que alguns dos falsos mestres estavam sugerindo que as coisas realmente precisavam mudar, eles pareciam estar afirmando que Jesus Cristo muda, e é por isso que um novo ensino é necessário, um ensino que se move a partir de Jesus. 12 Mas nosso autor deixa claro: “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre” (Hebreus 13: 8).

Precisamos entender a grande verdade do versículo 8 à luz de algumas observações importantes.

Primeiro, o autor foi muito preciso ao designar nosso Senhor por Seu nome: Jesus Cristo. Ele se refere ao nosso Senhor ligando dois nomes importantes, Jesus e Cristo. "Jesus" é o nome terreno de nosso Senhor, o nome que Ele recebeu no momento de Sua encarnação. Cristo" é o nome que identifica Jesus como o “Ungido,” o Messias prometido que viria e carregaria os pecados dos homens. Para se referir a Jesus como o Cristo ” era identificá-lo como o Messias. Juntos, esses dois termos, Jesus Cristo,” refere-se ao Filho de Deus encarnado que veio à terra como o Messias Prometido. Tanto a humanidade de nosso Senhor quanto Sua divindade estão, portanto, implícitas no nome Jesus Cristo":

Pois há um Deus e um intermediário entre Deus e a humanidade, Cristo jesus, ele mesmo humano (1 Timóteo 2: 5, ênfase minha).

Há uma segunda observação que deve nos ajudar a entender o que o autor está procurando enfatizar aqui: A promessa de um Deus-homem imutável começa com "ontem" e continua "para todo sempre" (literalmente “para os séculos” ou “para a eternidade”). Por que o autor começou com "ontem," ao invés da eternidade passada, como vemos, por exemplo, em Miquéias 5: 2?

"Mas quanto a você, Bethlehem Ephrathah,

Muito pouco para estar entre os clãs de Judá,

De você Um sairá para Eu ser o governante de Israel.

Suas saídas são de muito tempo atrás,

Desde os dias da eternidade (Miquéias 5: 2, NASB95, ênfase minha).

O fato é que a encarnação foi uma grande mudança: a divindade intacta (a segunda pessoa da divindade) assumiu a humanidade imaculada para sempre. Em termos de Seu caráter e atributos, a Segunda Pessoa da Trindade era a mesma. Nesse sentido, Jesus Cristo não mudou. O autor de Hebreus aponta isso no capítulo 1:

Você fundou a terra no começo, senhor,

e os céus são obra das tuas mãos.

11 Eles vão morrer, mas você continua.

E todos eles envelhecerão como uma roupa,

12 e como um manto você os dobrará

ecomo uma vestimenta eles serão mudados,

mas você é o mesmo e seus anos nunca acabarão”(Hebreus 1: 10-12).

Mas no capítulo 2, o autor destaca a encarnação e sua importância, pois é a encarnação de nosso Senhor que O qualificou para se tornar nosso Grande Sumo Sacerdote. Isso é fundamental para o desenvolvimento do autor do tema de Jesus Cristo como o Grande Sumo Sacerdote, o inaugurador da Nova Aliança e a oferta uma vez por todas pelo pecado. A encarnação foi essencial para a obra de nosso Senhor no Calvário. O ponto que o autor está fazendo aqui é que nosso Senhor será o Deus-homem por toda a eternidade, tornando assim a Sua oferta e ministério sacerdotal eterno. Porque Ele não muda, Ele não mudará. E porque Ele não mudará, todos os benefícios de Sua obra mediadora são certos e eternamente garantidos. Observe como esse tema eterno / imutável é representado no capítulo 7:

14 Pois é claro que nosso Senhor é descendente de Judá, mas Moisés nada disse sobre os sacerdotes em relação àquela tribo. 15 E isso fica ainda mais claro se outro sacerdote surgir à semelhança de Melquisedeque, 16 que se tornou sacerdote não por um regulamento legal sobre a descendência física, mas por o poder de uma vida indestrutível. 17 Pois aqui está o testemunho sobre ele: “Tu es um padre para sempre na ordem de Melquisedeque. ” 18 Por um lado, uma ordem anterior é posta de lado porque é fraca e inútil, 19 porque a lei nada aperfeiçoou. Por outro lado, é introduzida uma esperança melhor, por meio da qual nos aproximamos de Deus. 20 E uma vez que isso não foi feito sem uma afirmação juramentada - pois os outros se tornaram sacerdotes sem uma afirmação juramentada, 21 mas Jesus o fez com uma afirmação juramentada daquele que lhe disse: “O Senhor jurou e não vai mudar de ideia,Tu es um padre para sempre’” - 22 consequentemente, Jesus se tornou a garantia de uma aliança melhor. 23 E os outros que se tornaram sacerdotes eram numerosos, porque a morte os impediu de continuar no cargo, 24 mas ele possui seu sacerdócio permanentemente, pois vive para sempre. 25 Para que ele possa salvar completamente aqueles que por meio dele se aproximam de Deus, porque ele sempre vive para interceder por eles. 26 Pois, na verdade, nos é apropriado ter um tal sumo sacerdote: santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e exaltado acima dos céus. 27 Ele não tem necessidade de fazer todos os dias o que aqueles sacerdotes fazem, oferecer sacrifícios primeiro pelos seus próprios pecados e depois pelos pecados do povo, pois o fez ao se oferecer de uma vez por todas. 28 Porque a lei designa sumos sacerdotes homens sujeitos à fraqueza, mas a palavra de afirmação solene que veio depois da lei indica um filho perfeito para sempre (Hebreus 7: 14-28, ênfase por enfatizar o meu).

Vamos pensar no versículo 8 desta forma: A perfeição não precisa de mudança, apenas a imperfeição precisa. Nosso Senhor é o Sumo Sacerdote perfeito. Se Jesus Cristo não muda, então Ele deve ser Deus, pois Deus não muda. E se Ele nunca vai mudar, então Sua obra, além de Sua pessoa, é perfeita. E se Ele é perfeito e imutável, então toda a Sua obra, Suas promessas, Seus propósitos, Suas provisões e Sua proteção são certos e seguros. Não admira que o autor possa falar de um reino inabalável que nos espera.

28 Portanto, visto que estamos recebendo um reino inabalável, vamos dar graças, e por isso vamos oferecer uma adoração agradável a Deus em devoção e temor. 29 para o nosso Deus é realmente um fogo devorador (Hebreus 12: 28-29).

Ter um reino inabalável, fundado e assegurado por um Grande Sumo Sacerdote perfeito e imutável, nos dá todas as razões para terminar a corrida que nos foi proposta com perseverança, sabendo que Ele é o autor e consumador de nossa fé. Ou, como o escritor dos Hebreus colocou em outro lugar,

17 Da mesma forma, Deus quis demonstrar mais claramente aos herdeiros da promessa que seu propósito era imutável, e por isso interveio com um juramento, 18 para que nós, que encontramos nele refúgio, possamos encontrar forte encorajamento para nos apegarmos ao esperança colocada diante de nós por meio de duas coisas imutáveis, visto que é impossível que Deus minta. 19 Temos esta esperança como âncora para a alma, segura e constante, que chega por trás da cortina, 20 onde Jesus, nosso precursor, entrou em nosso nome, desde que se tornou um sacerdote para sempre na ordem de Melquisedeque (Hebreus 6: 17-20).

Alimentos, modismos, falsidades e féHebreus 13: 9

Não se deixe levar por todos os tipos de ensinamentos estranhos. Pois é bom que o coração seja fortalecido pela graça, não pelas refeições rituais, que nunca beneficiaram aqueles que delas participaram (Hebreus 13: 9).

De tudo o que o autor poderia ter escrito, por que escolheu abordar a questão da alimentação? Se formos honestos, todos teremos que admitir que temos um forte apego à comida, especialmente à “boa comida”. Vemos também que a comida é um assunto proeminente na Bíblia. Por exemplo, Deus parece usar comida como uma indicação de uma mudança de dispensação. À medida que avançamos na Bíblia, passamos de comer apenas coisas verdes em Gênesis 1:29 para comer carnes (sem o sangue) em Gênesis 9: 3-6, para comer apenas alimentos limpos na Lei de Moisés. Então, em Marcos 7:19 e Atos 10 e 11, descobrimos que todos os alimentos são declarados limpos.

A comida freqüentemente colocava o povo de Deus em problemas. Seu desejo por comida custou a Esaú seu direito de primogenitura. Os israelitas “reclamaram” (reclamaram) no deserto e pegaram codornizes - muitas. Eles queriam voltar para o Egito por causa dos alimentos que podiam comer lá. Comer a comida errada tornava o israelita impuro. No Monte Sinai, os israelitas mandaram Aarão fazer um bezerro de ouro, e sua adoração a esse ídolo foi acompanhada de comida e “diversão” (sexo ilícito). No Novo Testamento, alguns cristãos se meteram em problemas participando de cerimônias de adoração a ídolos pagãos, que incluíam “Carnes oferecidas a ídolos” - algo que Deus havia proibido. 13 A igreja de Corinto teve problemas por sua conduta em torno da Mesa do Senhor. 14 E por último, mas não menos importante, havia um monte de falsos ensinamentos sobre comer (ou não comer) certos alimentos:

16 Portanto, não deixe ninguém julgá-lo com respeito a comida ou bebida, ou em questão de uma festa, lua nova ou dias de sábado - 17 estes são apenas a sombra das coisas que estão por vir, mas a realidade é Cristo! 18 Ninguém que se agrada da humildade e da adoração dos anjos julgue você. Essa pessoa fala muito sobre o que supostamente viu, mas está inchado com noções vazias por sua mente carnal. 19 Ele não se agarrou à cabeça, da qual todo o corpo, sustentado e unido por seus ligamentos e tendões, cresce com um crescimento que vem de Deus. 20 Se você morreu com Cristo para os espíritos elementais do mundo, por que se submete a eles como se vivesse no mundo? 21 “Não manuseie! Não gosto! Não toque!" 22 Todos estes estão destinados a perecer com o uso, baseados em mandamentos e ensinamentos humanos. 23 Mesmo que eles tenham a aparência de sabedoria com sua adoração auto-imposta e falsa humildade alcançada por um tratamento impiedoso do corpo - uma sabedoria sem valor verdadeiro - eles na realidade resultam em indulgência carnal (Colossenses 2: 16-23, ênfase minha).

1 Ora, o Espírito diz explicitamente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e se ocuparão com espíritos enganadores e ensinos demoníacos, 2 influenciados pela hipocrisia dos mentirosos cujas consciências estão cauterizadas. 3 Eles vão proibir o casamento e exigem abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos com ações de graças por aqueles que acreditam e conhecem a verdade. 4 Pois toda criação de Deus é boa e nenhum alimento deve ser rejeitado se for recebido com ações de graças. 5 Pois é santificado pela palavra de Deus e pela oração (1 Timóteo 4: 1-5, ênfase minha).

Podemos dizer, em nosso texto em Hebreus 13: 9, que havia vários e diversos ensinos a respeito dos alimentos, nenhum dos quais contribuía para a verdadeira piedade e crescimento espiritual (ao contrário das afirmações de seus defensores). Nem comer nem deixar de comer desses alimentos lucrou espiritualmente. Essas eram questões de liberdade e consciência cristãs e, portanto, não deviam ser impostas a outros nem permitidas que se tornassem uma fonte de divisão. Isso é inteiramente consistente com o que o apóstolo Paulo ensinou:

1 Agora receba aquele que é fraco na fé e não tenha disputas sobre opiniões divergentes. 2 Uma pessoa acredita em comer de tudo, mas a pessoa fraca come apenas vegetais. 3 Quem come de tudo não deve desprezar quem não come, e quem se abstém não deve julgar quem tudo come, porque Deus o acolheu. 4 Quem é você para julgar o servo de outra pessoa? Diante de seu próprio mestre ele se levanta ou cai. E ele ficará de pé, porque o Senhor é capaz de fazê-lo ficar de pé. 5 Uma pessoa considera um dia mais sagrado do que os outros e outra considera todos eles iguais. Cada um deve estar totalmente convencido em sua própria mente. 6 Quem observa o dia, o faz para o Senhor. Quem come, come para o Senhor porque dá graças a Deus, e quem se abstém de comer se abstém para o Senhor e dá graças a Deus. 7 Porque nenhum de nós vive para si e nenhum morre para si. 8 Se vivemos, vivemos para o Senhor, se morremos, morremos para o Senhor. Portanto, quer vivamos ou morramos, somos do Senhor. 9 Por isso Cristo morreu e voltou à vida, para ser o Senhor de mortos e de vivos. 10 Mas vocês que comem apenas vegetais - por que julgam seu irmão ou irmã? E você que come de tudo - por que você despreza seu irmão ou irmã? Pois todos iremos comparecer perante o tribunal de Deus. 11 Pois está escrito: “Enquanto eu vivo, diz o Senhor, todo joelho se dobrará diante de mim e toda língua louvará a Deus. ” 12 Portanto, cada um de nós prestará contas de si mesmo a Deus (Romanos 14: 1-12, grifo meu).

Agora, a comida não nos aproxima de Deus. Não seremos piores se não comermos e nem melhores se o fizermos (1 Coríntios 8: 8).

A partir da escolha de palavras de nosso autor, podemos discernir que não havia apenas uma variedade de falsos ensinos sobre alimentos, mas vários e diversos erros abundaram. Podemos dizer (com o perdão do trocadilho) que os ensinamentos sobre alimentos vêm em todos os sabores. E o pior de tudo é que vários santos estavam sendo “levados” por esses erros. Abundaram os debates e as divisões, e tudo em torno de uma questão de liberdade.

Devo inserir neste ponto que um determinado ensino ou prática com relação aos alimentos pode não ser herético por si só. É por isso que os alimentos são tratados como uma questão de liberdade cristã no Novo Testamento. Não há nada de errado em seguir uma dieta vegetariana ou tentar comer alimentos produzidos organicamente. Mas às vezes as pessoas podem se empolgar tanto com seus fetiches de comida (ou outros) que dão a eles um lugar de destaque e consome muito tempo, energia ou dinheiro.

Para que não deixe a impressão de que o ensino e a prática com relação aos alimentos é sempre uma questão de liberdade, devo dizer também que isso pode se tornar um grave erro doutrinário. Basta ler o livro de Gálatas, e especialmente o capítulo 2, para ver que um erro grave pode estar envolvido. Do ponto de vista do nosso autor, ensinamentos estranhos sobre alimentos são especialmente errados quando colocam muita ênfase no que fazemos ou não fazemos (legalismo / obras), em oposição à graça. Somos salvos pela graça e também somos santificados pela graça. Não se trata tanto de fazermos (ou não fazermos), mas sim de dependermos da pessoa e da obra de Jesus Cristo.

5 Ele nos salvou não por obras de justiça que tivéssemos feito, mas com base na sua misericórdia, por meio da lavagem do novo nascimento e da renovação do Espírito Santo, 6 que derramou sobre nós em plena medida por Jesus Cristo nosso Salvador. 7 E assim, visto que fomos justificados pela sua graça, tornamo-nos herdeiros com a expectativa confiante da vida eterna ”(Tito 3: 5-7).

Pois eu estou certo de que aquele que começou uma boa obra em você, a aperfeiçoará até o dia de Cristo Jesus (Filipenses 1: 6).

6 Portanto, assim como você recebeu Cristo Jesus como Senhor, continue a viver sua vida nele, 7 arraigados e edificados nele e firmes na sua fé assim como você foi ensinado, e transbordando de gratidão. 8 Tenha cuidado para não permitir que ninguém o cative por meio de uma filosofia vazia e enganosa que está de acordo com as tradições humanas e os espíritos elementais do mundo, e não de acordo com Cristo (Colossenses 2: 6-8).

Muitos são os ensinamentos e práticas que consomem nosso tempo e energia, mas são realmente inúteis:

Mas evite controvérsias tolas, genealogias, brigas e brigas sobre a lei, porque são inúteis e vazias (Tito 3: 9).

Satanás é o grande enganador, mas também é o mestre da distração. A verdadeira questão é esta: o ensino que ouvimos e abraçamos é baseado nas Escrituras, centrado em Cristo e habilitado pela graça?

Conclusão

O argumento do autor até agora em Hebreus 13 pode ser resumido em algumas palavras: Aqueles que confiaram em Jesus Cristo para a salvação e estão vivendo a vida cristã com perseverança e perseverança devem persistir em sua prática de demonstrar amor fraternal uns pelos outros. Este amor deve ser caracterizado pela hospitalidade para com estranhos, identificação e ministério para aqueles crentes que estão sendo perseguidos (e que podem estar presos) por sua fé no Senhor Jesus. O amor fraternal ficará evidente quando honrarmos o casamento e praticarmos a pureza sexual que a instituição divina do casamento requer. O amor fraternal é demonstrado pelo amor pelos irmãos, em vez do amor ao dinheiro. Praticar o amor fraternal envolve riscos, mas temos a certeza de que nosso Senhor nunca nos deixará ou nos abandonará. Portanto, não precisamos temer os homens, mas apenas reverenciar a Deus (versículos 1-6).

O amor fraternal deve ser evidente na vida dos líderes cristãos. Devemos refletir sobre a vida daqueles cujas vidas foram bem vividas e terminaram bem. A fé demonstrada por esses líderes deve nos fornecer exemplos de fé a imitar (versículo 7).

Enquanto os líderes humanos vêm e vão, e suas vidas estão sujeitas a mudanças, devemos nos concentrar no fato de que nosso Grande Sumo Sacerdote não muda. Ele sempre será o Deus-homem cujo ministério em nosso favor não está sujeito a mudanças com o tempo. Ao contrário dos sacerdotes do Antigo Testamento que iam e vinham, nosso Senhor é eternamente nosso Sumo Sacerdote, cujo sacrifício expiatório no Calvário nos salva e nos guarda para sempre (versículo 8).

Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre. Ele é a revelação completa e final de Deus ao homem (Hebreus 1: 1-4). E visto que Ele nunca muda, a revelação que temos Dele, registrada nas Escrituras (Hebreus 2: 1-4), também não muda. Assim, todos os novos e novos ensinamentos que atraem os crédulos não são apenas desnecessários, eles são falsos. A Palavra de Deus nunca precisa ser editada ou atualizada porque "os tempos mudaram". E assim, novos ensinos sobre alimentos (ou qualquer outra coisa) que deixam de lado as Escrituras e desviam os cristãos devem ser evitados como uma praga. Eles não contribuem em nada para a nossa vida espiritual, ao invés, eles desviam nossa atenção de Jesus e da graça que Deus proveu nele e por meio dele (versículo 9).

Então, o que nosso texto significa para aqueles que o receberam e o leram primeiro, e o que ele nos ensina? A primeira coisa que devemos aprender é a importância de líderes piedosos. Godly leaders encourage the saints in a way that enables them to “run with endurance the race set before them.” They do this by continually proclaiming the Word of God and by setting an example of godly living and biblical faith. Ungodly leaders seek to obtain and maintain a following by departing from the Scriptures, blazing a trail of their own making. 15 In this case, some of the false teachers were advocating practices related to foods that turned people from Christ and from grace.

The fact that church leaders are mentioned on three separate occasions in chapter 13 (verses 7, 17, and 24) should signal us about the important role that leaders play. It also indicates to us the importance of following the right kind of leaders, leaders committed to practice and to teach the Scriptures, who point men and women to Jesus and the grace that is available through Him. 16

As I read verse 7 and its teaching regarding leaders, I think that a number of these leaders will be those men who have led these saints in the past, who have set a godly example of perseverance in the midst of persecution, and have finished their course faithfully. By inference, verse 7 also instructs us about the leaders we currently follow. Their commitment to the Scriptures and to living by faith is an essential qualification (not to mention those set forth in verses 1-6 of chapter 13).

But I am also wondering if there is not a larger group of leaders in the author’s mind. Would it not be right for us to think of the apostles as leaders of the past who continue to guide us with the Scriptures they penned (by the Holy Spirit), whose faith we should imitate? And what of the great men of church history? Wouldn’t Augustine, Calvin, and Luther also be considered men who have impacted our lives and continue to do so? What I am suggesting is that we may need to remember a much larger number of “leaders” whose faith we are to imitate. Since we did not live when these men lived, we will find it necessary to observe their teaching and manner of life by reading. There are many wonderful books that will help us here. Let us make good use of them as we seek to obey the instruction of our author in our text.

What an encouragement and challenge verse 7 leaves for those of us who are currently leaders or who aspire to the work of leadership. If we would lead well, then we must be grounded in the Scriptures, and we must speak God’s Word, rather than our own insights and novel ideas. We should be leaving a legacy through our leadership so that those who remain after our death may be challenged and encouraged by our faith and practice. Surely this challenge also applies to every parent.

Let us seek to take the words of verse 8 to heart and to put them into practice. The fact that our incarnate Savior is the same yesterday, today, and forever is a solid and unshakable foundation on which to base our lives. It is an anchor for our souls:

17 In the same way God wanted to demonstrate more clearly to the heirs of the promise that his purpose was unchangeable, and so he intervened with an oath, 18 so that we who have found refuge in him may find strong encouragement to hold fast to the hope set before us through two unchangeable things, since it is impossible for God to lie. 19 We have this hope as an anchor for the soul, sure and steadfast, which reaches inside behind the curtain, 20 where Jesus our forerunner entered on our behalf, since he became a priest forever in the order of Melchizedek (Hebrews 6:17-20).

Because the living Word of God will not change, neither will His words need revision, updating, or supplementation. The canon of Scripture is closed, and there is no need to seek for revelation other than what our Lord has revealed.

A changeless Savior and a changeless revelation means that we should be suspicious about that which is new and novel and which has no clear foundation in God’s Word. These are changing times, but we are to live according to changeless truth, and a changeless Savior.

The last election in our country was all about change, and change is certainly taking place. I have never seen change occurring at such a rapid pace as I have seen in the past few months. Quite frankly, most of it is distressing, because it is a departure from the teaching of the Word of God. But in a changing world, we have a changeless Savior who is still “the way, the truth, and the life.” He is still the only means of forgiveness of sins and our only assurance of spending eternity in heaven. He is still seated in heaven at the right hand of the Father, making intercession for us, and preparing a heavenly city in which every one of His blood-bought children will dwell for all eternity. Though false leaders arise and godly leaders pass away, our Great High Priest leads forever as He who is perfect and changeless.

Copyright © 2009 by Robert L. Deffinbaugh. This is the edited manuscript of Lesson 34 in the series, Near to the Heart of God – A Study of the Book of Hebrews, prepared by Robert L. Deffinbaugh on May 3, 2009. Anyone is at liberty to use this lesson for educational purposes only, with or without credit.

1 While the NET Bible renders the Greek word for food “ritual meals” and the NIV renders “ceremonial foods,” I am not convinced that this specialized meaning is the author’s intent. The error was not merely concerning “ritual meals” but foods in general.

2 Unless otherwise indicated, all Scripture quotations are from the NET Bible. The NEW ENGLISH TRANSLATION, also known as THE NET BIBLE, is a completely new translation of the Bible, not a revision or an update of a previous English version. It was completed by more than twenty biblical scholars who worked directly from the best currently available Hebrew, Aramaic, and Greek texts. The translation project originally started as an attempt to provide an electronic version of a modern translation for electronic distribution over the Internet and on CD (compact disk). Anyone anywhere in the world with an Internet connection will be able to use and print out the NET Bible without cost for personal study. In addition, anyone who wants to share the Bible with others can print unlimited copies and give them away free to others. It is available on the Internet at: www.netbible.org

3 The NASB actually renders, “Remember those who led you, who spoke the word of God to you and considering the result of their conduct, imitate their faith (Hebrews 13:7, NASB95, emphasis mine). While I agree with the sense of this translation, it is not exactly a precise rendering of the Greek participle, which is in the present (not past) tense. More on this later in this lesson.

4 See, for example, Acts 20:17-32 2 Peter 1:12-21.

5 Note that in Hebrews 13:7, “spoke” is in the past tense and also that “remember” implies thinking about something past.

11 In this instance, as in Hebrews 13:9, false teachers seek to turn grace into a pretext for sin.


What's New in iPadOS 13

iPadOS, released in the fall of 2019, is a version of iOS 13 that's designed to run on Apple's iPads. According to Apple, iPadOS is built on the same foundation as iOS, but with powerful new capabilities created for the larger display of the iPad.

First and foremost, iPadOS includes almost all of the features available in iOS 13, such as performance optimizations, a new systemwide Dark Mode, a revamped Photos app, a Find My app, Sign In with Apple, updated Maps, and tons more, so for an overview of the new iOS 13 features, make sure to check out our iOS 13 roundup.

The iPadOS roundup below highlights the iPad-specific features that are part of iPadOS, rather than the iOS 13 features available on both platforms.

iPadOS features a new Home screen for the iPad, which shrinks down the app icon size so you can fit more apps on each page. You can also now add Today Widgets from the left side of the screen onto the Home screen itself for easier access to your widgets and at-a-glance info like news headlines, weather, events, and more when your iPad is in landscape mode.

The Split View and Slide Over multitasking options now support multiple windows from the same app, so you can do things like open two Safari windows side by side. When in Slide Over view, there's a new option to view and switch between multiple apps with a new Slide Over card interface.

App Exposé, available when holding down an app's icon, lets you view all of the open windows from a particular app, and there's an option to swap between them with a tap, making it much easier to switch between your open windows on iPad.

Tapping on the corner of the iPad's display with an Apple Pencil opens up Markup, which can now be used for anything from webpages and documents to screenshots and emails. Apple has introduced a redesigned tool palette for quick access to tools, color palettes, shapes, a ruler, an object eraser, and a new pixel eraser. The new tool palette is available in Markup and is also available to third-party developers as an API.

In addition to the new Markup features, Apple has reduced the latency of the Apple Pencil, dropping it from 20ms to 9ms.

O iPadOS Files app supports folder sharing, so you can share whole folders of files with other people, and there's also support for external drives for the first time. You can plug in a USB drive or an SD card and pull data from it right in the Files app, a feature also available on the iPhone.

Uma nova Column View in the Files app when the iPad is in landscape mode lets you see high-resolution previews of your files, and support for Quick Actions lets you do things like mark up and rotate images and create PDFs. iPadOS also brings support for local storage, zip and unzip, e 30 new keyboard shortcuts.

When you use Safari on the iPad, you're always going to get the desktop version of a website instead of the mobile version. Websites are scaled appropriately for the iPad's display and optimized for touch, so you can use your favorite web apps like WordPress, Squarespace, Google Docs, and Slack.

For the first time, Safari has a download manager, which is a game changer when it comes to managing files that you've downloaded on an iPad from the web, plus Apple has made improvements to tab management.

As with the iPhone, editing text on iPad is better than ever thanks to a new swipe gesture that lets you select text e new gestures for cut, copy, paste, and undo. A floating keyboard that supports the new QuickPath swipe feature allows you to type one handed, and there's support for installing fonts across the system.

Thanks to the inclusion of Haptic Touch on the iPhone XR, iPhone 11, and iPhone 11 Pro models, a long press now replicates much of the functionality that was previously limited to 3D Touch devices. There's no haptic feedback, but long press gestures are available on the iPad across iOS 13 for doing things like Quick Actions, link previews, and more.

New to iPadOS, iOS 13, and tvOS 13 is controller support for the PlayStation DualShock 4 and Xbox One S controllers, which means you no longer need a Made for iPhone controller to play games on these devices. Connecting one of the new controllers is done using Bluetooth.

As mentioned above, take a look at our iOS 13 roundup for a list of features that are available on both the iPad e the iPhone, in addition to the iPad-specific features included in iPadOS. We've also got a roundup of the most important features in our iPad Tips and Tricks guide and in the video below.

Observação: See an error in this roundup or want to offer feedback? Send us an email here.


Apple releases iOS 13.7 with support for new automatic COVID-19 notification system

Apple on Tuesday released iOS 13.7, adding support for a new exposure notification system for powering COVID-19 tracking. The system is an extension of the existing coronavirus contact tracing efforts, but it removes the burden on states of having to build a dedicated app. News of the new software framework was first announced earlier today in a joint statement from Apple and Google.

This native support was expected, as it was announced when the exposure notification API — developed collaboratively between Apple and Google — was revealed in April. But at the time, we didn’t know exactly when it would arrive.

Here’s how it will work, from The Verge’s report on the announcement:

Under the new system, participating health departments will assemble a configuration file, allowing them to set their risk scores, redirect users to their specific health department website, and modify the recommendation for users who have been exposed. Once the configuration is complete, iOS and Android can automatically generate the necessary software, although the two operating systems handle the task differently. In Android, the configuration file will automatically generate a custom Android app, while iOS will incorporate the settings into its OS-level contact system.

More broadly, the OS-powered contact tracing system is designed to inform someone when they may have been in contact with another person later diagnosed with COVID-19, primarily through a complex BLE Beacon protocol. Support for the protocol was first added to iOS in May with the release of iOS 13.5. But at the time, any given state needed to have an app developed by a public health agency that used the API. Now, though, states can simply provide Apple and Google with the necessary information and the auto-generated software framework will take care of the rest.

Apple and Google made sure to clarify that existing apps, of which there are six, will continue to work, and support for interoperability between states is built into the new framework to allow for contact tracing state lines. The first official app supporting the exposure notification system debuted in Virginia earlier in August. The University of Alabama at Birmingham launched a closed pilot for an exposure notification app last month as well.

“As the next step in our work with public health authorities on Exposure Notifications, we are making it easier and faster for them to use the Exposure Notifications System without the need for them to build and maintain an app,” Apple and Google said in a joint statement today. “Exposure Notifications Express provides another option for public health authorities to supplement their existing contact tracing operations with technology without compromising on the project’s core tenets of user privacy and security. Existing apps using the Exposure Notification API will be compatible with Exposure Notifications Express, and we are committed to supporting public health authorities that have deployed or are building custom apps.”


Should you turn on exposure notifications in iOS 13.7?

Given that you are reading this article, I am going to assume you are an Apple iOS user. If you go to your settings in iOS 13.7 and scroll down, you’ll find an icon labeled “Exposure Notifications.”

If you go to your settings in iOS 13.7 and scroll down, you’ll find an icon labeled “Exposure . [+] Notifications.”

If you open this, you’ll see the Covid-19 notifications are turned off by default. Whether you enable them is up to you. Although it does mean Apple is collecting more data, the process is pretty private—at least as much as it can be—as Apple explains: Your phone is not collecting or sharing exposure notification data with anyone. If you turn on Exposure Notifications, information related to your exposures can only be shared with (the public health authority) with your permission.

So the big question is, should you turn it on in iOS 13.7? It’s a tough question, especially so for someone who cares about their security and privacy, as most of us do.

With contact tracing, it comes down to whether you can prioritize the greater good—the process could work well to help stop the spread of Covid-19, but it needs as many people as possible to opt in. Then it comes down to trust. Do you trust Apple to have set a high enough standard to protect your privacy? The firm has been doing pretty well of late, and iOS 14 is set to boost that further.


IOS 13 Features: What’s New

iOS 13 comes with a plethora of new features and enhancements. Below are the best iOS 13 features for iPhone:

Dark Mode

iOS 13 adds a native system-wide Dark mode to the OS. The theme has been beautifully executed by Apple and looks stunning on iPhones with OLED displays like the iPhone X and iPhone XS. Apart from looking good, the Dark mode will also help improve the battery life on OLED iPhones.

Users have the option of manually enabling Dark mode or setting up a custom schedule. They can even set Dark mode to trigger automatically depending on the sunrise/sunset schedule.

Apple has also added a Dark mode API to iOS 13 which third-party apps can take advantage of. Depending on the system theme, third-party apps can also change between light and dark theme.

New Reminders App, Improved Apple Maps

iOS 13 introduces a brand new Reminders app which is not only more functional but also smarter. With natural language input support, one can simply type in their reminder and the app will automatically figure out the time, day, location, and the reminder part automatically

Apple Maps is also getting a big upgrade as a part of iOS 13. Apart from improved and more detailed Maps data, it is also getting a Look Around which is Apple’s take on Street View and shows street-level imagery. Apple expects to roll out Look Around to the entirety of the United States and a few other popular cities across the world by the end of this year.

Sign In with Apple

Apple is going to launch its own SSO solution with iOS 13. Called ‘Sign In with Apple,’ the company’s approach is focused on privacy and security. Sign In with Apple will allow users to sign in to third-party apps without sharing their email ID, phone number, or any other personal detail.

Faster App Launch Times

Apple is promising faster app launch times with iOS 13 along with smaller app sizes. The company claims that app opening times under iOS 13 will be 2x fast, while app downloads and app updates will be about 50% and 60% smaller, respectively.

Faster Face ID

iOS 13 brings about major speed improvements to Face ID. Apple claims that Face ID under iOS 13 is 30% faster and the speed improvements are clearly visible when one will get around to trying out iOS 13 on their iPhone X/XS/XR.

New Photo and Video Editor

iOS 13 brings a more powerful and advanced photo editor and introduces a video editor as well. The new Photo editor gains control for highlights, variance, and an easier to use UI. As for the video editor, it allows one to crop, rotate, or add filters to their video.

Improved Safari

Safari in iOS 13 gains a download manager which means one can download any type of file on their device. Safari also gains a new start page which provides one with quick access to their favorites, frequently visited, and recently visited websites.

Improved Share Sheet

Share sheet in iOS 13 has one tap suggestions for sharing a photo or document with some who is in the photo. There’s a new actions bar that comes up based on the content.

Redesigned Volume HUD

The new Volume HUD appears in the top-left corner of the screen in an unintrusive manner. It first shows up as a full sized slide. But it immediately shrinks and becomes unintrusive.

New Animoji and Customizable Memoji

iOS 13 three new Animoji to iPhone X/XS and iPhone XR: Octopus, Cow, and Mouse.

Additionally, iOS 13 makes Memoji more customizable and allows them to be used as stickers in third-party apps like WhatsApp, Telegram, and more.

Also check out the best iPhone apps updated for iOS 13, and the top iOS 13 tips and tricks so you can most of the latest iOS software update for iPhone.


IOS 13 Jailbreak Status

Apple has released iOS 13 – iOS 13.7 which includes hundreds of new features and improvements.

On November 10, 2019, checkra1n jailbreak for iOS 13 was released which is based on the checkm8 exploit. The jailbreak team released an update on December 14 to add support for iOS 13.3 and later added support for iOS 13.7. So it supports iOS 13 – iOS 13.7. It also supports iOS 12.3 – iOS 12.4.4. It is a semi-tethered jailbreak which means that it requires you to have access to a PC to start the jailbreak process. You cannot jailbreak iOS 13 without a computer.

The checkra1n jailbreak supports all iPhones and iPads up until the iPhone X. However, the current beta (v0.9) lacks support for the iPad Air 2, 5th gen. iPad, and the 1st gen iPad Pro. Compatibility with the iPhone 5s, iPhone mini 2, iPad mini 3, and iPad Air is also in experimental stages. It also means it does not support iOS devices powered by Apple’s A12 and A13 chips such as iPhone XS, iPhone XS Max, iPhone XR, iPhone 11, iPhone 11 Pro and iPhone 11 Pro Max.

On February 16, the Unc0ver team released Unc0ver Jailbreak 4.0, making it the World’s first tool to jailbreak iPhone 11, iPhone 11 Pro, iPhone Pro Max, iPhone XS, iPhone XS Max, and iPhone XR powered by A12 and A13 chips running on iOS 13. But it supports only iOS 13.5 or lower. It does not support iOS 13.5.1 – iOS 13.7.

On April 9, chechra1n team released a new version of the jailbreak tool to add support for iOS 13.4 – iOS 13.4.1.

On May 23, unc0ver team released Uncover 5.0, which allows you to jailbreak iOS 13.5 on all iPhones and iPads including the new iPad Pro and iPhone SE (2020). Unc0ver 5.0 supports all iPhones and iPad running iOS 13.5 including:

  • iPhone 6s
  • iPhone 6s Plus
  • iPhone 7
  • iPhone 7 Plus
  • iPhone SE (2016)
  • iPhone SE (2020)
  • iPhone 8
  • iPhone 8 Plus
  • iPhone X
  • iPhone XR
  • iPhone XS
  • iPhone XS Max
  • iPhone 11 Pro
  • iPhone 11 Pro Max
  • iPhone 11
  • 2020 iPad Pro
  • 2018 iPad Pro
  • 2017 iPad Pro
  • iPad Air 3
  • iPad Air 2
  • iPad mini 5
  • iPad mini 4
  • 5th/6th/7th gen iPad

On June 1, Apple released iOS 13.5.1 which killed the iOS 13.5 jailbreak, so you can’t use Unc0ver jailbreak for iOS 13.5.1, iOS 13.6, iOS 13.6.1, and iOS 13.7.


Security & Compliance - New Quarantine Page not fit for purpose/Process does not work

This means that what is actually incorrectly classified spam cannot be flagged as false positive.

Also emails that are genuine phishing attempts using from addresses of our own domain name get through without issue!

Trying to delete messages from quarantine results in the error:

Message 'ID=<<MessageID>>' couldn't be deleted. 401: The request parameters are invalid

Request: /api/QuarantineMessage/DeleteMessage Status code: 500 Exception: Microsoft.Exchange.PswsClient.PswsException Diagnostic information:

Trying to delete message from Powershell results in:

Message 'ID=<<MessageID>>' couldn't be deleted. 401: The request parameters are invalid.

This is the same whether you try and delete using specific message ID or by position using

$ids = Get-QuarantineMessage | select -ExpandProperty Identity Delete-QuarantineMessage -Identity $ids[4]


When you try to enable Exposure Notifications, your Settings app will let you know if the feature is available in your country, state, or region. If you live in an area participating in Apple's new "Exposure Notifications Express" feature, you can get Exposure Notifications without having to download an app. Otherwise, you need to use a contact tracing app through a public health authority.

According to Apple, Maryland, Nevada, Virginia, and Washington DC are among the first to join Exposure Notifications Express, but more states could follow in the future. Using Exposure Notifications Express requires iOS 13.7 and is entirely opt-in. Once you select your state or region and then opt-in, your iPhone can tell you if you may have been exposed to COVID-19, no other apps needed.

You can also sign up in Settings to be alerted when the feature is available in your area.


Conteúdo

Jay Asher's career as a children's author started in his first year of college when he wrote and sent three children's books to be published. [2] Although none of his children's books sold over the course of nine years, he continued to write. [2] Asher continued to write children's books, while he simultaneously started the three-year process of writing Thirteen Reasons Why — Asher's first entrance into teen literature. [2] After facing twelve rejections, Thirteen Reasons Por que was finally accepted and published on his thirteenth attempt. [5] The inspiration behind Hannah Baker's story came from a family member of a similar age who attempted to take her own life. [2] After hearing her story of how she saw suicide as the only escape from her pain, Asher was deeply affected. [2] To ensure he fully captured the emotions of the story's main character, Hannah Baker, he gathered information from women about their high school experiences. [5] After travelling to Las Vegas and attending an audio tour, he found the structure that he wanted his novel to be told through — cassette tapes. [2] Asher wants readers to understand that it was a conscious decision not to make any mention of mental health issues, as his story is more about how we treat people. [5]

The novel was published in trade paperback format by Penguin Young Readers Group, a division of Penguin Random House, on June 14, 2011. [6] Thirteen Reasons Why had remained in hardcover long past the usual one-year release-to-paperback schedule due to its continued grassroots popularity and sales fuelled by author participation. [7]

On December 27, 2016, the Tenth Anniversary Edition of Thirteen Reasons Why was published in hardcover, also by Penguin Young Readers Group. [8] This edition includes new content including but not limited to, the author's original unpublished ending for the book, a new introduction, an essay from the author, and pages from the notebook that the author used while writing this novel. [9]

High school student Clay Jensen receives a mysterious package in the mail with seven cassette tapes recorded by Hannah Baker, a classmate who recently died by suicide. The tapes had also been sent to several other classmates, instructing each of them to visit each person mentioned and to pass them on to the person following them on the tapes. [10] As he listens to the cassettes, Clay learns that there is a side of the tapes for each person to whom Hannah attributes her reasons for killing herself. After sending the tapes to the next person, Clay returns to school and runs into his classmate Skye Miller, whom he suspects is also suicidal. The novel ends with Clay reaching out to Skye. [2]

Since its release, the novel has received both praise and criticism. Despite the mixed critical reviews, the novel became a bestseller after its release, [11] holding a spot at number 16 on EUA hoje ' s list of Top 100 Books of 2017 [12] after the release of the Netflix adaptation earlier that year. While the show's popularity increased interest in the novel, [12] its notoriety among suicide prevention groups [13] drew criticism of the novel's premise. After the show's release, school psychologists criticized the novel's premise for failing to address mental illness and making Hannah's death seem like the result of "stressors or coping challenges." [14]

Due to its depictions of sexual assault, in particular, another question about the novel is whether it should be given a warning label to alert readers of the content. Alev Scott, a writer from the Financial Times, takes up this question, arguing that adding a precaution at the beginning of the piece could create a negative mindset that readers will carry with them into the reading, even if they might not have initially had this mindset. [15] Nevertheless, especially after the release of the Netflix show, critics are revisiting the novel to question whether it glorifies suicide. [14]

Ali Jan Maqsood, a writer at the DELTA school, suggests that this should be a book all young adults should read to inform them about how life events have the ability to transfer to negative thoughts which can lead to cynical views about one's life. [2]

Thirteen Reasons Why has frequently been challenged and removed from schools and libraries, according to the American Library Association. The book landed on the ALA's Top 10 Most Challenged Books lists in 2012, 2017, and 2018. [16] Ultimately, it became the third-most challenged book between 2010 and 2019. [17] The book has been challenged because it addresses teen suicide is sexually explicit includes drugs, alcohol, and smoking and is unsuited for the age group. [16]

Awards Edit

  • 2013 – Abraham Lincoln Award winner [18]
  • 2010 – South Carolina Young Adult Book Award winner [19]
  • 2009 – International Reading Association Young Adults' Choice list [20]
  • 2009 – Writing Conference's Literature Festival [21]
  • 2008 – Best Books for Young Adults YALSA[22]
  • 2008 – Quick Picks for Reluctant Young Adult Readers YALSA[23]
  • 2008 – Selected Audiobooks for Young Adults YALSA[24]
  • 2008 – California Book Award silver medal – Young Adult [25]

Another concern of critics is how the novel's subjects of bullying and suicide impact young adult readers. Despite its controversial subject matter, Festus High is one example of a school that supports the novel. [3] Principal, Diana Allen, made it known that, “If we don't talk about it, we're hiding from it," and that she wants students to have conversations about the book and to be aware that counsellors are there to support them. [3] Further, educators James Chisholm and Brandie Trent argue that incorporating the novel into school curricula can not only increase students' reading comprehension and analytic skills but their ability to apply the themes of the novel in their own lives as well. [26] Other proponents of teaching the novel claim that its use in school anti-bullying efforts benefits young adult readers who are close in age to the characters the author encourages high schools to adopt the novel as a means of starting conversations on bullying. [27] More generally, the novel has been hailed by adults outside the classroom as being a supplement to local initiatives in starting the conversation between parents and their children about suicide. [28]

On October 29, 2015, it was announced that Netflix would be making a television adaptation of the book with Selena Gomez serving as an executive producer instead of the main character. [29] [30] Tom McCarthy was hired to direct the first two episodes. [31] The series is produced by Anonymous Content and Paramount Television with Gomez, McCarthy, Joy Gorman, Michael Sugar, Steve Golin, Mandy Teefey, and Kristel Laiblin serving as executive producers. Katherine Langford replaced Gomez for the role of Hannah Baker but left after two seasons. The series currently has four seasons extending the original plot from the novel.

Differences with the television series Edit

  • In the book, Clay listens to all of Hannah's tapes in one night in the television series, he listens to them over the course of several days. [32]
  • In the book, it is revealed that Hannah kills herself via swallowing a handful of pills. However, in the television series, there is a scene of Hannah cutting her wrists. Two years after the show's release, the graphic scene of her suicide was cut out. [32][33]
  • In the book, Hannah's parents owned a shoe store. However, in the TV show, they owned a drugstore. [32]
  • The book features Clay and Hannah as the primary narrators of the book while the series is told from multiple perspectives to present in-depth details of each character. [34]
  • While the book leaves the race and sexual orientation of the characters up to the discretion of the reader, the series has depicted a multiracial cast. [34]
  • In the book, there is no mention of Hannah's parents bringing forth a lawsuit, while in the series the school is on the receiving end of the lawsuit. [34]
  • In the book, the name of the girl on the 11th tape is Jenny Kurtz but in the show, her name is Sheri Holland.
  • The sequence of persons on tape is also changed:

No livro: Justin Foley, Alex Standall, Jessica Davis, Tyler Down, Courtney Crimson, Marcus Cooley, Zach Dempsey, Ryan Shaver, Clay Jensen, Jenny Kurtz, Bryce Walker, Mr. Porter.
In the TV series: Justin Foley, Jessica Davis, Alex Standall, Tyler Down, Courtney Crimson, Marcus Cooley, Zach Dempsey, Ryan Shaver, Sheri Holland, Clay Jensen, Bryce Walker, Mr. Porter.

In May 2017, the curriculum director in Mesa County School District in Colorado ordered librarians to stop circulating the book due to a rash of student suicides. After three hours of deliberation by librarians and counselors, the books were returned to circulation when it was determined that the book was not as graphic as the TV series. Notices were sent to parents within the school district alerting them to the possible influence of the series. [35]


Assista o vídeo: Ballistic Advantage build! (Outubro 2021).